Duas histórias da cena rock potiguar dos anos 80

Fotografia: Modus Vivendi em Mossoró, 1987.Carito (Vocal), Alexandre Miúda (Guitarra) e Nelson Benevides (Teclados). Não aparecem na foto: Fernando Suassuna (Bateria) e Erick Firmino (Baixo).

Nas quebradas do rock, literalmente!

Nos anos 80, em Natal, o poeta e agitador cultural Carlos Gurgel organizou uma noite de rock na antiga danceteria do clube do América. Gurgel sempre antenado e antropofágico convidou bandas de diferentes tribos. Mas de antropofágico o evento virou antropotrágico.

Na época os punks e metaleiros eram inimigos. Pois tinha banda punk, de heavy metal, entre outras. Nessas entre outras acho que se encaixou o Modus Vivendi. Quando começou o show do Modus e eu comecei a cantar escutei da galera: “Isso né rock não, porra!”

Quando entrou Marcelus Bob e o Grupo Escolar as cordas da guitarra dele quebraram e ele passou um bom tempo do show trocando as cordas. O público ficou impaciente.

Mais impaciente ainda quando Marcelus começou a repetir no microfone enquanto desafinava as cordas e o coro dos descontentes: “Vocês estão gostando do show? Já está quase terminando”.

Não lembro muita coisa dessa noite. Mas sei que houve quebra quebra, e na briga entre punks e metaleiros o banheiro ficou destruído.

Gurgel me contou que no final da festa, ele sentado no chão, desolado, com a mão na cabeça, foi surpreendido por um metaleiro de uma banda que chegou todo animado, dizendo: “Gurgel, Gurgel! Massa demais! A gente quer que você seja nosso empresário!”

Mas pra você eu dou!

Nessa época viajei um pouco com o Modus Vivendi pelo interior. Fomos para Mossoró algumas vezes, e sempre muito bem tratados, era como se fôssemos os Rolling Stones do RN. Teve uma dessas idas a Mossoró que nos marcou bastante.

Depois do show, na casa que ficamos hospedados e que o dono da boate onde tocamos encheu a geladeira de cerveja, rolou festa noite adentro.

Os papos foram ficando cada vez mais picantes e as groupies chegaram mandando ver. A galera da banda foi fugindo um a um para as redes já armadas na sala.

Lembro que eu ainda sendo um dos poucos da banda ali naquela roda, estava escutando a conversa de uma menina do meu lado que contava para todos que nunca tinha feito anal, coisa e tal.

“Nunca dei”, disse a menina que de repente se virou pra mim e disse: “mas pra você eu dou!” Pense nuns rockeiros frouxos!

Brincadeiras à parte, embora isso tenha sido verdade, havia outra verdade: a AIDS tinha chegado e estava assombrando todo mundo. Vivíamos aterrorizados. A profaníssima trindade sex, drugs & rock’n’roll foi ameaçada por uma nova realidade com a qual tivemos que aprender a conviver.

Poeta, cineasta, vocalista, performer e arquiteto [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP