E. A. P

EUREKA EUREKA.

Ele nasceu há duzentos ( mais um ) anos atrás. Morreu novo e bêbado. Louco e genial. Deixou uma obra de visionário. Escreveu alguns dos maiores contos da literatura universal. O Corvo e o Escaravelho de Ouro são antológicos. Perco-me nesse poço que vai dar nos confins da existência débil e atormentada. YYYYYYYYYYYYYYYYESSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.

Alguns outros loucos geniais o traduziram e ampliaram a sua cosmogonia fértil e translúcida. Chama por Baudelaire, Mallarmé e Paul Valéry.

Um Erudito. Antes de morrer EUREKA (“Ensaio sobre o universo material e espiritual”) Deixou esse poema sobre a cosmogonia dedicado a outro gênio: ALEXANDER VON HUMBOLDT ( autor do monumental Cosmos).

Já tinha explorado os confins do ser. Da loucura. Do imaginário. Precisava Vasculhar todo o universo para além do mundo sub-lunar. E pensar que alguns se esborracham na lama. Não conseguem ver além do umbigo. Ele foi longe. Leu tudo e construiu uma bela cosmogonia. Não!. Ele escreveu um belo poema de Adeus. Mais um, por favor! POE POE POE

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. João da Mata 8 de dezembro de 2010 20:28

    Grande dica Alex,

    Conheço essa antologia do amigo Bráulio que tb é Tavares.
    Tambem recomendo.

    Ainda não comprei o Cachalote . Faça uma resnha para o Splural.
    Alguem em Natal escreveu que o Galera era Carioca
    Alguem em Natal escreveu que o prof Wallson é Pernambucano.Pensei que era de Santana dos Matos de Tácito e Tania ( desaparecida).

    Li a Palumbo 10. A melhor matéria disparado é sobre a ultima ( ? ) prostituta de Natal.
    Ainda tem uns errinhos de digitação. Ex. tento ( em vez de teto).

    Um forte Abraço

    Ps Fernando tá organizando uma troça. Com piu piu e outras belas mulheres do splural e amigas do Tácito.

  2. Alex de Souza 8 de dezembro de 2010 17:30

    esse o João deve conhecer com certeza: Contos Obscuros de edgar Allan Poe, da editora Casa da Palavra, organizado por ninguém menos que Braulio Tavares.

    Alguns dos selecionados nem são tão obscuros para os leitores de Poe, como Descida ao Maelström ou Metzengerstein. Mas tem uma penca que eu nunca ouvi falar.

    Fica a dica pra galera.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo