E o Muro Caiu!

Ele caiu num Nove de Novembro
Ouvimos ainda o seu ribombar
Nos gestos e gritos de jovens de todos os recantos

Fui visitar
Trouxe uma pedra
O portão
Brandeburgo
Mortes

No muro antigo
Pinturas
Um Horror
Irmãos separados

Picaretas derrubam o muro
Picaretas governam o mundo
Os homens são loucos
Para entrar

Por cima das ossadas
Um canteiro de obras
Enganam-se vocês amigos
Padres pedófilos
Prostitutos
Pobres
Moralistas
analfabetos políticos

O muro não caiu

Ouça o seu lamento!

Comments

There are 3 comments for this article
  1. Marcos Silva 16 de Novembro de 2013 7:54

    Bom final. Muros ao redor, muros por dentro.

  2. Danclads Lins de Andrade 16 de Novembro de 2013 12:15

    O muro físico, composto de concreto, tijolos, cercas elétricas, caiu. O muro que separa pessoas, que gera preconceitos, que fomenta o racismo, o nazismo, o fascismo, que produz a intolerância religiosa, as guerras, este permanece de pé, fazendo sombra sobre uma humanidade dividida entre a alienação e os protestos.

    Gostei Da Mata, este poema remete-nos á reflexão do que realmente ruiu e do que realmente continua entre nós.

  3. DAMATA 16 de Novembro de 2013 12:42

    Obrigado meus queridos Marcos e Dan, mesmo acreditando que o elogio de amigo pode ser penso, gosto de ouvir voces. Sintam-se abraçados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP