É tarde

Primeiro foi o dia que amanheceu tarde.
Lavar a taça de vinho do dia que findou tarde
Não mais ilusões não ouvireis me amanhecer
É tarde. Muito tarde.
Muitos anos levamos nos separando
A taça e o vinho que ficou quebrou
O almoço tarde com o calor da liberdade
Depois o café com o copo usado d`agua.
Se levar pode quebrar e o café quente
Diferente do gelo da liberdade que não tenho
Cai no chão arrebentando o fundo do copo.
No chão os cacos e a mancha.
Na tarde ouvindo o anoitecer que tardo.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 14 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis − dois =

ao topo