Ecce Homo

A jarbas martins

Esse homem que é meu guia não guia por uma via de braços e sargaços sonolentos de uma poderosa enguia semovente e dolente caminho de rútilas estrelas a bilhões de anos luz.

Entre o real e o fantástico é ele de cima de um promontório num ir e vir Irani ressoa em versos selvagens que se entrelaçam e penetram numa teia esgarçada num tempo que ressoa.

Elástico, hipnótico, erótico e sátiro um tiozão sinuoso e endógeno gosta de apanhar todo dia vem e vai finnicius revém muito além thalasa.

Ele vê ninas e minas estrelas cirros serpenteando as barbas anglicanas que crescem ardilosamente em copas cinza de uma concha celeste a ida.

Quossque tandem

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo