Edições da Odisséia – Homero

 

 

Odisseu (Ulisses ) – aquele que sofre o rancor dos deuses

São muitas as traduções da Odisséia do Homero, considerado o primeiro poema da literatura ocidental. Um poema de Paz e um monumento da literatura.

Narra o regresso do herói Odisseu (Ulisses) à sua terra natal – a ilha de Ítaca – depois da guerra de Tróia.

Na Odisséia de Homero existem dois tipos de poesia.

Um que se distingue pelos mitos e fábulas e dão conta da História e Geografia da antiguidade. Os famosos “Errores de Ulisses”.

O outro tipo de poesia que se encontra na Odisséia é de cunho intimista e narra os amores de Ulisses.

Em português do Brasil, temos a tradução pioneira do grande humanista maranhense Manoel Odorico Mendes (1799- 1864). Edição da Atena Editora – São Paulo. Belíssima tradução em versos como a famosa tradução inglesa do poeta Alexander Pope.

Outra tradução brasileira foi realizada por Antonio Pinto de Carvalho. Tradução em prosa da Abril Cultural do editor Victor Civita. Conforme a edição da Difel – RJ.

Em Portugal foi editada pela Livraria Sá da Costa (Lisboa) uma bela edição – também em prosa – na famosa Coleção de Clássicos Sá da Costa. Edição em dois volumes traduzida a quatro mãos pelos padres E. Dias Palmeira e M. Alves Correia.

Em Francês é famosa a edição da Bibliothéque de la Plêiade. Traduction para Victor Bérard. Bela edição como todas as edições da Plêiade. Muito bem comentada e com muitas notas.

São muitas as edições recontadas e resumidas da Odisséia e que contam os feitos do Ulisses:

Nos “Passos de Ulisses” é uma edição francesa recontada por Marie- Therèse Davidson e traduzida para o português por Renée Eve Levié. Belo livro na coleção Jovens Leitores.

Outra adaptação para jovens foi feita pela escritor Ruth Rocha.

Uma edição escolar recontada foi editada pelo Objetivo, com adaptação, apresentação e notas de Paulo Sérgio de Vasconcellos. O Objetivo – SP. Sol Editora.

Nos tempos modernos o escritor James Joyce (1882- 1941) escreveu o famoso romance Ulisses, seguindo a estrutura da Odisséia de Homero.

O Ulisses de Joyce acompanha a Odisséia Clássica, tanto no tema quanto na forma, e o significado dos personagens e incidentes têm correspondência com o romance de Homero, iniciador da literatura ocidental. Leopold Bloom é Ulisses e Stephanus Dedalus é Telêmaco, que sofre de consciência pesada por não ter atendido ao pedido de sua mãe para rezar quando ela se encontrava no leito-de-morte. Esse “stream of consciosness” é uma das características marcantes de Joyce. Penélope é a mulher de Leopold, que no romance recebe o nome de Molly Bloom. Cada hora do dia 16 é representada por uma ação-lugar-som-cor. Ulisses encontra Telêmaco (torre), vai à casa de banhos os lotófagos), biblioteca, funeral (hades), bordel (circe), de onde livra-se dos encantos virginais de uma nausicáa e emerge outro homem , onde houvera se transformado num porco. No final, Ulisses “retorna” para casa (Ítaca) e encontra Penélope (cama). A mulhervaginabismo onde o homem se perde e jamais retorna. Ítaca distante e labiríntica. O romance encerra com um pungente monólogo de Molly Bloom. “yes, I said yes I will Yes oui jái dit oui je veux bien. SIM EU QUERO SIMS. A M

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 2 =

ao topo