El último Cortázar que vagó en París

Félix Grande publica 30 cartas inéditas que le envió el autor de ‘Rayuela’ – El escritor estaba atormentado por el vacío que le dejó la muerte de Carol Dunlop.

aqui

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Jarbas Martins 20 de abril de 2010 12:46

    coincidências, sincronias ?
    tenho uma filha chamada talita, um filho lucas, um
    amigo (amizade dos meus tempos da puc/sp) chamado manuel, que conhecia tudo de cortázar, gosto de palíndromos, sonetos estrambólicos. uma mulher que é bioquímica ou farmacêutico, participo de grupos artístico-lieterários mais venenosos que o Clube da Serpente, pratico fugas,evasões e experiências filosóficas como Horácio Oliveira desconfio que pertenço a mundo-Maga, viu, Nina Rizzi. beijos.

  2. Nina Rizzi 19 de abril de 2010 21:02

    Em boníssima hora. Cortázar é um dos meus santos literários.

    Foi reeditado também sua obra-prima “o jogo da amarelinha”. Quem não leu, que o faça, alí tem tudo: filosofia da linguagem, existencial, romance, idílio fugas e tocattas.

    um beijo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo