Em ensaio, Borges percorre as diversas eternidades planejadas pelo homem

Simultaneidade, adição de passados e constante presente. Em “História da Eternidade” (Companhia das Letras, 2010), além de tentar criar uma biografia da duração em detrimento da noção histórica de sucessão temporal, Jorge Luis Borges (1899-1986) se embrenha no pensamento e definições de filósofos que se debruçaram sobre o tema.

aqui

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 16 =

ao topo