Enélio Petrovich e o Instituto Histórico e Geográfico

Caros Colegas,

Não pretendia escrever; mas os depoimentos últimos me levaram a: … Nem tanto ao mar nem tanto à terra onde reina a mesmice e o conformismo. Os grupos estão formados. Diógenes reina há muito tempo numa coisa chamada Academia Norte-Rio Grandense de Letras. Um anacronismo. Um ajuntamento de colegas mais ou menos letrados. Por que não falar de Enélio e seu filho e não (sim ) de outros clans? E aqui é diferente, não sabia! Os Robsons, os Aluízios, os Cascudos, os Galvões, Os Uh (ivos), os poetas (vige!). Melhor parar que hoje não vou terminar.

No caso específico do IHG e outros no Brasil há que se lembrar do contexto em que eles foram criados. Uma afirmação da nacionalidade. Um ajuntar documentos que afirmasse a tal da nação que engatinhava Conteana. No IHG / RN o que é feito de seus preciosos documentos não é diferente do que é feito com a cultura desse estado. Um descalabro (veja a Biblioteca que leva o nome de Cascudo). Uma não memória quando o que se deseja e proclama é o contrário.

A instituição que mantém um Barleus precisava ser melhor tratada e gerenciada. Climatizada. Instituição que já produziu alguns dos maiores documentos da nossa história recente precisava ser administrada por alguém culto e que compreendesse essa história. E não ficar falando asneiras daqui e de lá.

É indefensável uma administração de meio século. Conservadora, sim!. Medíocre mas não diferente de outras no nosso estado e outros. Enélio não foi menos culto que outros no nosso estado e editou livros importantes. A instituição defenestrada recebeu no mês passado duas dezenas de colegas nossos. Por que eles entraram nessa instituição falida e combatida? Orgulho? Vaidade? Melhor perguntar a eles.

Sempre fui bem recebido por Enélio e os funcionários do IHG. Livros desaparecem aqui e alhures: Biblioteca Nacional, Biblioteca Zila Mamede, Cooperativa Cultural, Sebos, etc. Livros são mal cuidados em todos os lugares.

Enélio foi o guardião de uma “certa” memória. De uma tradição que pode não ser a que desejamos. O que sabemos é que o inestimável acervo de mais de 50 mil títulos do IHG precisa ser conservado. Que venham outros Olavinhos e Cláudios, que fazem por ser dessa instituição cultural de um estado sem memória.

Respeitemos essa hora de velar o morto. Enélio morre quando festejamos os Reis Magos e sua festa que leva os peregrinos à fortaleza onde tudo começou e lembra essa tradição proclamada por Enélio, Cascudo e Hélio Galvão.

Salve meu querido amigo Enélio

Ab imo corde.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × dois =

ao topo