Enfim, Civone entre nós

TC

Ela enviou a foto há dias, mas como depois da reforma gráfica mudou a maneira de se mexer nas engrenagens do SP e eu ainda estou no processo de aprender quase tudo novamente, somente ontem, com nova aula e ajuda de Nicolau criamos a coluna da multiartista Civone Medeiros. O teste de fogo mesmo pra saber se aprendi mesmo as dicas passadas ontem por Nicolau vai ser mudar a foto do grande Damata. Em pose de galã, foi o que Homero Costa me disse – rs.

Seja bem vinda Civone.

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem
  1. Paulo César 19 de novembro de 2011 17:41

    Civone é genial!
    Nossa mais que perfeita tradução de Frida + Rosa de Luxemburgo, apenas para citar duas mulheres que me lembrei agora.
    Sei que voltarei a esse site muitas vezes para ver Civone, Mombaça e tantos outros.

  2. Anne Guimarães 17 de novembro de 2011 10:28

    Civone querida…
    Seja muito bem-vinda à nossa casa de letras, amigos e flores.
    Compartilhe conosco sempre os seus versos altos, sua sabedoria e seus sentimentos profundos em verdades humanas.
    Um beijo poético.
    🙂

  3. Ednar Andrade 16 de novembro de 2011 16:32

    Bem-vinda, Civone Medeiros.

    Apenas entres, pois a casa sempre foi tua.

    Parabéns, Tácito pela mais nova colunista, pela postagem “da foto” de quem sempre esteve presente nesta casa.

    Receba nosso abraço, grande Civone Medeiros.

  4. Danclads Andrade 16 de novembro de 2011 15:45

    Afinal, finalmente!

    Da Mata bem disse: “você já estava aqui”. Estamos todos que integramos o substantivo plural de parabéns.

    Civone, querida, seja bem-vinda!

  5. Anchieta Rolim 16 de novembro de 2011 12:51

    Seja bem vinda Civone, será um deleite lêr seus poemas e comentários.

  6. João da Mata 16 de novembro de 2011 9:25

    Bem-Vinda Civone. Voce ja estava aqui.
    A foto, querido Tácito. Aguarde.
    Talvez mande de Sete Cdades.
    “Ha dois caminhos, o da Natureza e o da Graça”,
    segundo o filme Arvore da Vida. Sendo Da Mata
    não poderia deixar de ser natureza, mas cobiço a graça.
    Um forte abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo