Eric Hobsbawm

Por Kenneth Maxwell
FSP

O historiador Eric Hobsbawm tem 93 anos. Viveu por tempo suficiente para que tenha visto justificadas as opiniões que expressa já há muito sobre o capitalismo e o marxismo. Seus críticos, evidentemente, relutam em concordar com ele.

Michael Gove, por exemplo, secretário da Educação no governo de coalizão entre conservadores e liberais-democratas no Reino Unido, afirma que o marxismo de Hobsbawm é atávico. Há quem concorde. Esses críticos afirmam que o historiador é um “acadêmico envelhecido que hesita em contemplar o mal e lhe dar o nome devido”.

Mas Hobsbawm está acostumado a esse tipo de crítica.

Acaba de lançar uma nova coletânea de ensaios no Reino Unido, seu 16º livro, intitulado “How to change the World: Tales of Marx and Marxism”. O trabalho sairá no Brasil no ano que vem, pela Companhia das Letras. Hobsbawm acredita que a recente crise econômica mundial oferece sustentação convincente aos seus argumentos marxistas.

Ele admite que, entre 1945 e os anos 70, o capitalismo ganhou “face humana”. Mas sob Thatcher e Reagan isso foi substituído por um fundamentalismo de mercado extremado, que provocou terremotos devastadores, especialmente na América Latina.

Nascido em Alexandria, Egito, filho de um casal judeu, e criado em Viena e em Berlim, Hobsbawm, vive em Londres desde 1933. Foi por muito tempo membro do Partido Comunista britânico e de seu grupo de historiadores.

A reputação mundial de que desfruta se baseia numa variedade espantosa de grandes obras. Algumas delas criaram novas maneiras de contemplar a história, especialmente os trabalhos sobre rebeldes primitivos e bandidos.

Escreveu também uma série de interpretações em larga escala do período entre o final do século 18 e o final do século 20, começando por “A Era das Revoluções”. A América Latina é “o lugar onde as pessoas falam e conduzem política na linguagem do passado, do século 19 e 20, de socialismo, comunismo e marxismo”, disse ele recentemente.

Hobsbawm é especialmente elogioso com relação ao Brasil. Ele disse ao “Guardian” que o Brasil apresentava um caso clássico de partido trabalhista ao modo do século 19, baseado em uma “aliança de sindicatos, trabalhadores, pobres, intelectuais e ideólogos de diversas vertentes da esquerda, que produziu uma coalizão de governo notável.

E não se pode dizer que ela não obteve sucesso, já que, depois de oito anos de governo, seu presidente deixou o posto com índices de aprovação de mais de 80%”.

A América Latina, acrescentou, é a região do mundo em que ele se “sente mais em casa, em termos ideológicos”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 4 =

ao topo