Eros/Natal: Nem tudo era Maria

João da Mata:

Seu post sobre memórias do mundo de Maria Boa é ótimo mas vale a pena lembrar que a casa dela não era o único lugar de erotismo em Natal. Além de outras casas profissionais, havia profissionais sem casa e muito sexo livre – especialmente a partir de meados dos anos 60, mas antes também pois não foi nessa década que Eros nasceu.

Gosto muito que a memória de Maria seja evocada – o dicionário 500 nomes de Natal já o fez, preliminarmente. Sinto falta de uma maior diversidade nesse exercício para não pensarmos que Maria e suas companheiras detinham o monopólio do ofício (havia Rita loura etc) ou da brincadeira (qualquer homem e qualquer mulher).

Abraços:

Nasci em Natal (1950). Vivo em São Paulo desde 1970. Estudei História e Artes Visuais. Escrevo sobre História (Imprensa, Artes Visuais, Cinema Literatura, Ensino). Traduzo poemas e letras de canções (do inglês e do francês). Publiquei lvros pelas editoras Brasiliense, Marco Zero, Papirus, Paz e Terra, Perspectiva, EDUFRN e EDUFRJ. Canto música popular. Nado e malho [ Ver todos os artigos ]

ao topo