Estimada Senhora H,

Por Carol Almeida

Sim, estimada, namorada, adorada, lida por olhos imberbes, que tentam ansiosamente lhe decifrar no tempo em que deveria ter vivido, ainda que esteja e seja transcendente nele, no tempo do agora. Você está dentro do que eles veem, existe sibilante nesses novos leitores. É isso que acontece mais de dez anos após a morte de sua matéria corpo, e venho por meio desta relatar que não somente é lida, relida e descoberta – removeram de você o manto do inacessível – como estão cuidando bem das “folhas pisadas de palavras” que deixasse pelo caminho. Sobre elas, pisam agora, e o fazem animadamente, Balalaika, Thor, Bolinha, Gigi, Lili, Leo, Lupi, Rufus, Camelito e Bolívia, a Bobo. Estavam quase todos imundos nesse dia, alguns voltando de uma chafurdada no riacho de um terreno vizinho. Ninguém sabe ainda como conseguem fugir, mas é fato que sempre latem para voltar, insuspeitos de culpa.

Leia o texto completo no Suplemento Pernambuco: aqui

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo