Ética no jornalismo

No blog Substantivo Plural, do jornalista Tácito Costa, se tem travado oportuna discussão a respeito da ética no jornalismo. É temática antiga, mas ressaltada agora, influenciada pela cobertura midiática na eleição. Até sugeriram aprofundar o assunto no programa Grandes Temas, da TVU, o que achei mais pertinente ainda. Melhor seria convidar os jornalistas cuja postura tem sido questionada, como o proprietário do O Jornal de Hoje e Jh 1º Edição, Marcos Aurélio de Sá, e a diretora de redação do jornal e também blogueira, Thaisa Galvão. Jornalismo se faz assim: ouvindo os dois lados. Seria uma excelente oportunidade de eles mostrarem seus argumentos, em debate com gente também capacitada para discutir.

Na minha parca opinião de jornalista ainda inexperiente, acho que o assunto deve partir dessa esfera. Criticar repórter por trabalhar em órgãos públicos e secretarias de governo relacionadas à editoria em que trabalha é analisar o fato com superficialidade. Quem trabalha em redação reconhece a falta de alternativas, ou melhor: sabe agarrar com as duas mãos uma boa oportunidade de ganhar o dinheiro para ajudar na renda da família. A maioria são jornalistas casados e com filhos. Os iniciantes, ainda sem experiência, recebem poucos ou nenhum convite para integrar a assessoria de grandes órgãos. E o curioso é que muitos criticam a postura dos mais velhos, mas bastam alguns anos de profissão e mudam de idéia porque vislumbram a necessidade da grana para seus projetos de vida pessoais.

Particularmente trabalho hoje, afora o extenuante e prazeroso ofício de repórter do Diário de Natal, como editor de uma revista voltada à arquitetura, a Formas. Não por idealismo, mas por falta de convites. Não me vendo, como fazem alguns. Isso não. Mas aceitaria um convite espontâneo, pautado pelo reconhecimento do meu trabalho. Seria uma ajuda substancial para eu projetar alguns sonhos pessoais. E a propósito, amanhã, às 10h, acontecerá a 1ª rodada de negociação salarial entre o Sindjorn e as empresas de comunicação. A negociação ocorrerá no departameto de Relações do trabalho da DRT. Vamos ver quem comparece para discutir esta modalidade de ética.

Acredito que música, literatura e esporte são ansiolíticos dos mais eficazes; que está na ralé, nos esquisitos e incompletos a faceta mais interessante da humanidade. [ Ver todos os artigos ]

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP