Eu

alma
(Tela de Nawaf Alhmeli).

É o corpo só matéria,
Construção deletéria,
Que a morte põe fim?

É ele a morada
De uma liberdade enclausurada
Debatendo-se em mim?

É a vida a incerteza
Da liberdade ainda presa
Que a plenitude almeja?

E quem é esse habitante,
Estranho ocupante
Do corpo que fraqueja?

Pergunto, não ouço sua voz,
Quem está dentro de nós,
Que nunca me dá calma?

Dizem, é segredo.
É um condenado a degredo
Que os humanos chamam alma.

N.A.: In memorian de Nirce Maria de Andrade.

Brasileiro, nordestino, alagoano, advogado, cidadão comum, simples habitante deste planeta decadente... Rs... [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 5 =

ao topo