eu devia tê-los poupado

Quando eu cantar este poema
desafinando
para aliviar a náusea dos desavisados
vou dizer, constrangido
que o câncer sou eu
estrebuchando pelo chão
qual batatinha (podre) quando nasce

Comentários

There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 2 =

ao topo