“Eu Matei…(Confissões de um Presidiário)”

Por Nelson Hoffmann

Temos que LER!

Tento lembrar quando me aconteceu isso mas não consigo. Talvez nunca tenha acontecido mas isso é improvável, porque alguma coisa sempre já aconteceu comigo? Quando?

Não lembro.

Agora aconteceu de verdade, de forma forte e palpável. Eu podia tocar o sentimento e o pensamento dentro de mim mesmo. Eu lia “Eu Matei.. (Confissões de um presidiário)”, de Valter Figueira, e ficava pensando, sentindo e vivendo a monumental figura de Dostoievski.

Fedor Mikhailovitch Dostoievski (1821-1881), para quem não sabe, e quem não sabe?, foi talvez o maior romancista de todos os tempos e seu livro, “Crime e Castigo”, um livro que provocou calafrios, e mesmo hospitalização em nossa Clarice Lispector, quando leu pela primeira vez. “Crime e Castigo” é a história de um assassinato cometido pelo estudante Raskolnikov e que fica sem descoberta de autoria. A consciência leva Raskolnikov à confissão, tornando-se eterno, em longas páginas do livro, um debate estabelecido entre o estudante e o Juiz de Direito, que só fica a espreita do trabalho da consciência dentro do criminoso.

Em “Eu Matei…” também surge um longo debate entre o assassino indescoberto e o padre da localidade. As justificações, defesas e acusações, vem de ambas as partes, sob os mais variados ângulos, sem que nunca se chegue a uma conclusão. É a problemática do Bem e do Mal, da vida humana, da sina do homem neste mundo. E que faz cada um agir como age, sem que saiba por que embora sempre tenha seu próprio porque para cada ação cometida. E a seqüência das ações torna todo o livro uma reflexão sobre todo o existir humano.

Em “Eu Matei…”, os assassinatos de Homero Chaves são iscas para prender a atenção e amostra do que resulta de uma sociedade sem rumo, calcada no egoísmo e no isolamento de cada um de si mesmo. Sempre mais, a cada dia que passa.

Leia e verá! Clareará muito a vista do que está acontecendo com você e seu redor, todos os dias. Com mais inconsciência do que desconfia.

********

Leia mais sobre o escritor Valter Figueira: aqui

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × cinco =

ao topo