Feira de Mossoró supera expectativas

Por Marcus Vinícius

As expectativas de público foram superadas e cerca de 50 mil pessoas visitaram a Feira. A sétima edição do evento já está garantida para o próximo ano.

A Feira do Livro de Mossoró 2010 terminou neste domingo, 8 de agosto, depois de seis dias de intensa programação literária e cultural oferecida ao público de Mossoró e região. Trazendo novidades em relação aos anos anteriores, o evento já é tido como a melhor edição de todos os anos devido não só à riqueza de suas atrações, mas também por contar com um maior investimento na infra-estrutura, trazendo um pavilhão coberto e climatizado e oferecendo mais comodidade aos visitantes.

Crianças, jovens, adultos e idosos. As famílias mais uma vez lotaram o pavilhão da Estação das Artes Elizeu Ventania. Os corredores ficaram pequenos para os visitantes deste ano: as expectativas de público foram superadas e estimar-se que cerca de 50 mil pessoas tenham visitado a Feira, o que representa um aumento de 15 mil participantes em relação a 2009. “Acreditamos que o investimento no espaço físico tenha colaborado muito para este aumento da permanência do público na Feira. Embora não tenhamos convidado nenhuma personalidade com o porte do escritor Ariano Suassuna, trouxemos uma diversidade literária que nenhuma outra edição havia mostrado”, disse Rilder Medeiros, organizador do evento, que já confirma a sétima edição da Feira na cidade de Mossoró.

Apresentações culturais, bate-papos, festivais de cordéis, palestras e lançamentos de livros eram realizados paralelamente para atingir o maior público possível e agradar a todos os gostos. Foram 34 estandes, um espaço de 1.500 metros quadrados, 59 atividades e uma programação de 60 horas que se desenvolvia paralelamente no Auditório da Estação Artes, no Circo da Luz e no Espaço do Autor.

Convidados

Neste ano, o número de convidados foi um dos maiores de todas as edições. Cerca de quarenta pessoas, entre escritores, artistas e comunicólogos confirmaram presença no evento. Autores nacionais, como Martha Medeiros, Marina Colassanti, Lira Neto, Carlos Marcelo, Luiz Mendes, João Pedro Roriz e Daniel Munduruku despertaram a curiosidade e interesse do público durante os seis dias do evento. O incentivo à produção literária não ficou de fora: escritores mossoroenses e de outras cidades do Rio Grande do Norte participaram de bate-papos e lançaram seus livros. A professora Maria Lúcia Amorim foi uma delas: palestrou sobre o tema de sua obra, “Jorge Fernandes – O Viajante do Tempo Modernista”, e logo em seguida autografou para o público presente.

“A cidade que me inspira” foi tema do bate-papo que mostrou aos público do Circo da Luz escritores locais que escreveram sobre suas cidades de origem, como é o caso de Carlos Sizenando, Fred Rossiter, Marcos Medeiros e Osair Vasconcelos, que discorreram sobre suas vivências em Natal, Mossoró e Macaíba.

Produção Literária

Sempre atenta aos seus objetivos primários, sendo um deles o de incentivar a produção literária no Estado, a Feira do Livro de Mossoró promoveu pelo quarto ano consecutivo o Prêmio Cosern Literatura de Cordel, que premiou com um mil reais os primeiros colocados das categorias Ensino Fundamental, Ensino Médio e Livre. Pretendendo ampliar ainda esse incentivo, a novidade do evento foi a realização da primeira edição do Prêmio BNB de Contos, que teve como objetivo desenvolver o exercício da breve narrativa em prosa. O potiguar Gerardo Andres Godoy Fajardo foi o destaque do prêmio ao receber a primeira colocação nas duas categorias: nacional e local. “Fiz o meu conto com base na história de um amigo que se suicidou na semana santa deste ano, mais especificamente no domingo de páscoa”, disse o chileno Gerardo, que atualmente reside em Natal.

Dom Quixote: 405 anos

Professor, escritor e produtor cultural João da Mata, estudioso das vidas e obras de Camões e Cervantes, levou muita literatura e história à sua exposição sobre Dom Quixote de La Mancha, personagem de Miguel de Cervantes y Saavedra. O público pôde ter acesso a cerca de 30 livros raros, além de esculturas, quadrinhos e quadros. Além disso, vídeos contando a história do personagem foram exibidos no estande da exposição, o que chamou a atenção de crianças, jovens e adultos que visitaram o evento. Ontem, fechando a programação do Espaço do Autor, às 18 horas, João da Mata realizou um bate-papo sobre o tema “Dom Quixote na Cultura Popular”. “Na próxima Feira, pretendo estar presente mais uma vez com outras exposições”, disse João da Mata ao perceber a boa receptividade que o seu trabalho causou nos visitantes do evento.

A VI Feira do Livro de Mossoró acabou, mas ainda continua na internet através do site oficial do evento: www.feiradolivrodemossoro.com.br.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × dois =

ao topo