Festa de Sant`Ana

Moxotó, camará, catingueira
Sustentam a vida
A chuva acordava a terra num
Odor de zimbro e chumbo
Meu sertão caritó
Serra Negra, Acari.
Caicó e Jardim do Seridó
Thomas- o filho – cronista
De homens-ferros,
Cachimbos, galegos
Judeus e Portugueses
A rede suspende a vida – letargia -morte
Meu avô morreu de cezão aos 33 anos
O bisavô mestre-escola
Minha avó dormia só uma madorna e
Faleceu de arteriosclerose.
Mamãe solidão
Vivendo estamos doendo
Não há fim para essa lembrança.
Engenho torto
Açúcar o sangue
Chouriço espécie
O sol a carne
Queijo de coalho e lingüiça
Não, não foi Deus …
Ninguém entende
Sefus gões
Quadrivium
Guerra – o Padre
O sobrado virou museu
Sant´anna; ensina
essa menina!
O dia é de festa
Meu Caicó amado
A feirinha, as ruas repletas de transeuntes.
As calçadas são tomadas e as famílias
e amigos distantes se encontram.
Os clãs são formados.
Seridoense é orgulhoso.
A chuva é pouca e a lembrança muita.
Há sessenta anos mamãe casava nesse dia
De Sant`Ana a ensinar a todos nós.
Devotos da fé
E da vida que nascia

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comments

There are 2 comments for this article
  1. Suely Nobre Felipe 28 de Julho de 2012 17:29

    Prezado João da Mata.

    Sou de Santana do Matos, que igual a Caicó tem a santa por padroeira. Por isso te digo: Sant’Ana produz alguns sentimentos que somente seus filhos são capazes de sentir, ou até mesmo de compreender. Abraços.

  2. João da Mata
    João da Mata 28 de Julho de 2012 20:14

    Cara Suely,

    Concordo com voce. Sant`Ana inspira a todos. Fui batizado na Igrja de sant ` Ana de Caicó com o Pe Walfredo Gurgel.
    Mamãe estava lembrando com saudades dos sessenta anos do seu casamento. Abraços fraternos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP