Festa

Não que assim quisesse
sem ter sido convidado
só queria conhecer
o  que da infância suspeitava:
a grande festa,
o ser maduro
e toda gente viva e feliz.

Sem máscaras e sem véus,
a vida passando por entre os anéis
o  vinho entre os lábios
os lábios despojados
os lábios eriçados.

Toda a gente festejava
toda a gente
a cantiga pura de ninar.

A festa longa,
a noite posta,
o doce na boca,
o doce entre as pernas
o doce dos olhos
das amigas novas,
das novas canções.

Toda a gente entoava,
toda a gente encantava
a gente encantada da festa.

Advogado público e escritor/poeta. Membro da Academia Norte-Rio-Grandense de Letras. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 19 =

ao topo