Festival ‘Samba Pras Moças’ traz cantoras de três estados a Natal nesta sexta

Samba pras moças é o título de uma composição de Roque Ferreira e Grazielle Ferreira que foi criada em 1995 para o cantor Zeca Pagodinho. O nome da canção dá nome a um novo projeto idealizado pela cantora e produtora potiguar Andiara Freitas que tem por objetivo a valorização do papel na mulher no samba, gênero que ela se dedica com exclusividade desde 2011.

“Canto desde a década de 90 e desde esta época eu percebo que as mulheres atuam bastante no meio musical, mas que não existia um movimento ou algo que valorizasse a sua participação. No samba esta falta de cuidado é especialmente mais visível e uma prova disso é a música Samba pras moças, que explica que há samba para as moças também, mas a realidade é um pouco diferente, pois a maioria das atrações são homens e existe todo um apelo masculino na promoção destes eventos. Eu quis mostrar o outro lado da festa!”, conta Andiara Freitas.

O projeto pretende reunir algumas iniciativas que já foram iniciadas no Brasil e sugerir novas atividades, como a gestão colaborativa de redes sociais, criação de prêmio de música, criação e venda de produtos exclusivos e promoção dos direitos da mulher.

A festa de estreia será com um festival samba e acontecerá no Buraco da Catita, em Natal/RN, com a presença das cantoras Riá Oliveira (PE), Helo Nascimento (PB) e Andiara Freitas (RN) e também com a participação especial do sambista Luizinho do Pagode (PB).

SERVIÇO
Festival Samba pras moças em Natal/RN
Dia e horário: Sexta-feira, dia 25 de março de 2016, a partir das 22h
Local: Buraco da Catita – Travessa José Alexandre Garcia, 95, Ribeira, Natal/RN
Entrada: R$ 15,00
Informações: 84 98114 7400, producao@andiarafreitas.com.br

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 1 =

ao topo