Finalistas do Prêmio Portugal Telecom

FLIP030708João Gilberto Noll

Foram anunciados os dez finalistas do Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa 2009. Dessa lista serão eleitas, as três obras vencedoras da 7ª edição do Prêmio e a divulgação acontecerá na noite de 10 de novembro, em São Paulo. Foram classificados seis livros de autores brasileiros e quatro de autores portugueses.

Os escritores brasileiros classificados são João Gilberto Noll, Nuno Ramos, Lourenço Mutarelli, Eucanaã Ferraz, Silviano Santiago e Maria Esther Maciel. Os portugueses são António Lobo Antunes, Gonçalo M. Tavares, José Luis Peixoto e Inês Pedrosa.

As 10 obras finalistas foram selecionadas por onze jurados e quatro curadores que, em votação individual, também elegeram o júri final. Para falar sobre os dez livros finalistas foram convidados o crítico literário e ensaísta Luiz Costa Lima, o jornalista e escritor José Castello e a professora Maria Lucia Dal Farra. Eles explicaram o contexto de cada obra selecionada, destacando na narrativa, os personagens e as referências literárias escolhidas por cada autor.

O júri final do prêmio é composto por Antonio Carlos Secchin, Beatriz Resende, Benjamin Abdala Júnior, Leyla Perrone-Moisés, Regina Ziberman e Sérgio Sá.

O Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa contempla os três vencedores com R$ 100 mil ao primeiro colocado, R$ 35 mil ao segundo e R$ 15 mil ao terceiro.

Confira abaixo a lista dos finalistas:

“A arte de produzir efeito sem causa”, de Lourenço Mutarelli (Cia das Letras)
“A eternidade e o desejo”, de Inês Pedrosa (Alfaguara – Objetiva)
“Acenos e afagos”, de João Gilberto Noll (Record)
“Aprender a rezar na era da técnica”, Gonçalo M. Tavares (Cia das Letras)
“Cemitério de pianos”, José Luís Peixoto (Record)
“Cinemateca”, de Eucanaã Ferraz (Cia das Letras)
“Heranças”, de Silviano Santiago (Rocco)
“Ó”, de Nuno Ramos (Iluminuras)
“O livro dos nomes”, de Maria Esther Maciel (Cia das Letras)
“Ontem não te vi em Babilônia”, de António Lobo Antunes (Alfaguara – Objetiva)

ao topo