Finnegan’s List foi apresentada na Feira do Livro de Frankfurt

NO CORREIO DO MINHO

A segunda Finnegan’s List, uma lista de 30 obras insuficientemente traduzidas escolhidas e recomendadas por dez escritores poliglotas de dez países diferentes, foi apresentada na sexta-feira na Feira do Livro de Frankfurt, o maior certame mundial do setor editorial.

A primeira edição da Finnegan’s List foi em 2011, ano em que Lídia Jorge foi um dos autores convidados para indicar obras de tradução imprescindível, a par de nomes como o italiano Erri de Luca, o espanhol Javier Marías e o francês Mathias Énard.

A escritora portuguesa propôs o romance ‘Myra’ (2009, Assírio & Alvim), de Maria Velho da Costa, que se encontra apenas traduzido em francês, ‘A Noite e o Riso’ (1969, Dom Quixote), de Nuno Bragança, que nunca foi traduzido, e ‘Peregrinação’ (1615), de Fernão Mendes Pinto, que conta com traduções para francês, holandês, alemão, búlgaro, inglês e japonês.

A Finnegan’s List – cujo nome remete para o título da última obra de Joyce, ‘Finnegans Wake’, cujo estilo experimental a tornou conhecida como uma das mais difíceis da língua inglesa – é uma iniciativa da Associacao Europeia de Autores (ESA – European Society of Authors, fundada em 2008), que se apresenta como ‘uma rede aberta a todos os autores, tradutores, editoras e mediadores que queiram participar na criação de uma comunidade intelectual numa Europa multilingue e multicultural’.

Para alcançar esse objetivo, a ESA propôs-se divulgar anualmente uma lista de obras insuficientemente traduzidas ou esquecidas que são a escolha pessoal de 10 escritores prestigiados de diferentes países.

A lista inclui tanto obras da literatura clássica quanto contemporânea, de todas as línguas que são atualmente faladas na Europa, mesmo aquelas que não são oficialmente reconhecidas pela União Europeia.

‘O projeto Finnegan tenta apontar as atuais lacunas na tradução literária, embora também se centre em obras que já foram traduzidas mas estão esgotadas ou simplesmente foram esquecidas por um mercado editorial sempre ávido por promover as últimas novidades’, indica a ESA no seu site (www.seua.org).

‘Na luta contra a uniformidade e o espírito do consumo imediato que cada vez mais definem o mundo editorial, o projeto Finnegan pretende ser uma reflexão de longo prazo, que vá compondo, ano após ano, um verdadeiro arquivo para tradutores e editoras’, acrescenta.

Este ano, sob o lema ‘Translations make World Literature’ (‘As Traduções tornam a Literatura Universal’), integram a lista de dez autores o espanhol Juan Goytisolo e o croata Roman Simic, diretor artístico do Festival do Conto Europeu e editor da coleção ‘Antologias do Conto Europeu’ – em que participou já o escritor português David Machado.

Da lista faz igualmente parte a jovem autora prodígio finlandesa Sofi Oksanen (foto), vencedora do Prémio Femina Étranger 2010 e do Prémio Europeu Livro do Ano 2010 com o romance ‘Purga’, inicialmente escrito como uma peça de teatro, atualmente em cena em Lisboa no Teatro Aberto, numa encenação de João Lourenco.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − 2 =

ao topo