Fiódor Dostoiévski para todos e para cada um

Por Chrisppa Silva
Voz da Rússia

Em 11 de novembro completam-se 190 anos do nascimento de Fiódor Dostoiévski, o mais famoso, mais publicado e mais lido dos escritores russos no mundo.

Não se pode dizer de Dostoiévski “Eu não me importo com ele”. “Dostoiévski importa a todos e a cada um, porque ninguém pode ficar indiferente à sua própria alma”, escreveu há cem anos o filósofo russo Vassili Rozanov.

Durante vários meses, houve discussões em torno do filme biográfico de oito séries sobre o escritor, que foi exibido pelo canal de TV Federal Rússia. Possivelmente, porque os autores da série “Dostoiévski”, o roteirista e dramaturgo Eduard Volodarski e diretor de cinema Vladimir Khotinenko, decidiram “recusar a imagem de monumento nacional” e identificar a coisa mais importante na vida tão dramática do escritor, aquilo de que é necessário contar a uma pessoa moderna.Talvez seja preciso falar sobre o que não se fala nas aulas de literatura na escola? Ou encontrar uma maneira de chocar o espectador? Vladimir Khotinenko lembra que essas perguntas surgiam na sua mente, mas no final ele concluiu que é falso.

Honestamente, eu não posso mesmo dizer que nos tempos soviéticos não conhecíamos Dostoiévski. Sabíamos muito bem que ele jogava roleta. Também sabíamos que ele sofria de ataques epilépticos. Talvez tivessemos tentado desviar do tema das suas relações com as mulheres. Mas, em geral, não havia nada de “absolutamente secreto”. Por outro lado, eu comecei este trabalho só porque entendi que não sei tudo sobre Dostoiévski. E isso pareceu-me o mais interessante. Pode-se fazer vários filmes sobre Dostoiévski , até pode se fazer uma centena de episódios, mas ainda assim – não se pode abraçar algo que é imenso.

Como resultado, o filme abrange os 30 anos mais importantes na vida de Fiódor Dostoiévski. A narrativa começa com o evento que trouxe mudanças radicais para a sua vida – com o exílo do escritor de 28 anos por causa das atividades revolucionárias. No final da película, Dostoiévski, que já goza de imensa popularidade, começa a escrever a sua última grande obra, o romance “Os Irmãos Karamazov”. O filme revela a linha condutora interna destas três décadas – o amor a três mulheres: diferentes, mas igualmente forte, sempre refletido nas páginas das obras de Dostoiévski .

Uma grande parte das filmagens realizou-se na cidade alemã de Wiesbaden. A estância balnear luxuosa, Dostoiévski, o casino – são justamente essas associações com o passado que o povo russo geralmente tem com Wiesbaden. Sabe-se justamente que em Wiesbaden Dostoiévski , um jogador de roleta, fez a sua última aposta, mais uma vez ficou sem um tostão e nunca mais jogou. É pois natural, que em Wiesbaden, Vladimir Khotinenko tenha filmado muitas cenas.

No ano dos 190 anos do nascimento de Fiódor Dostoiévski surgiu um outro projeto associado ao trabalho deste escritor brilhante. O cineasta russo Dmitry Mamulia começou a realizar o filme “O Escolhido” com base no famoso romance “Crime e Castigo”. Na sua versão, Mamulia não pretende seguir exatamente o desenvolvimento da trama. E não considera criminoso o protagonista do romance – o estudante Rodion Raskolnikov, que matou uma velha.

Raskolnikov possui uma vasta gama de tonalidades. É o mais importante nele como personagem. Dostoiévski diz sobre Raskolnikov que ele como que se cortou com uma tesoura de tudo e de todos. Esta é uma tonalidade. Uma outra aparece sob a influência do sono-ilusão, que persegue Raskolnikov. O herói passa por todas as espirais emocionais do ser humano, confusões e sai à luz.

O 190 º aniversário de Dostoiévski não passou despercebido fora da Rússia. Assim, desde o início do ano, o Teatro de Drama de Madrid Réplika oferece aos telespectadores um ciclo de espetáculos de Dostoiévski.

Este teatro espanhol, diz o representante da agência federal “Rossotrudnichestvo” na Espanha, Ilona Yavchunóvskaya – produz todos os anos um espetáculo em homenagem a algum grande evento. Este ano, ele escolheu o aniversário de Dostoiévski e fez uma performance com base em duas obras dele – “Noites Brancas” e “O Grande Inquisidor”.

É claro, a atenção para com Fiódor Dostoiévski não se deve apenas a uma data importante. Para as pessoas criativas em todo o mundo, Dostoiévski foi e continua sendo um centro de gravidade e até mesmo de influência.

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Pingback: Sul 21 » Fiódor Dostoiévski para todos e para cada um

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo