FLIN 2014: de gafe, nova revista literária e “neurônios saltitantes”

Por Tácito Costa

Espero que o poeta Gastão Cruz não generalize e saia de Natal achando que aqui impera o desconhecimento total da poesia portuguesa. Duas perguntas feitas a queima roupa a  ele ontem à noite, no Festival Literário de Natal, poderão levá-lo a isso.

O primeiro questionamento não foi lá tão fora de contexto assim. Alguém da platéia quis saber sobre a importância da poetisa Florbela Espanca para a poesia portuguesa

Acredito que a pergunta foi motivada porque em sua fala sobre o tema da mesa “Século XX: o século de ouro da poesia portuguesa e brasileira”, dividida com o poeta Fernando Luís Sampaio, Gastão Cruz não citou a poetisa.

Agora, a segunda indagação foi de lascar o cano, o espectador queria saber se Florbela Espanca está viva. Uma simples consulta ao Google, que poderia ser feita ali mesmo da plateia, se a pessoa estivesse com um celular à mão – o que é muito provável – poderia ter evitado a gafe.

O poeta, de forma elegante, respondeu às duas perguntas, não sem antes se referir ao desconhecimento da plateia sobre a produção poética dos nossos patrícios. Repassou a informação sobre a morte da poetisa, ocorrida em 1930, e realçou a desimportância de Florbela para o cânone literário português.

FORA DA TENDA

Pulei a segunda mesa da noite, com Mário Magalhães e Vicente Serejo, sobre a biografia de Mariguella. Como já tinha assistido Magalhães falar sobre o seu livro “Mariguella, o guerrilheiro que incendiou o mundo” esse ano no Festival Literário de Pipa, preferi ficar conversando fora da tenda com o editor da Caravela Cultural José Correia, que está com alguns projetos editoriais interessantes para 2015, entre outros, o lançamento de dois livros sobre circos e a publicação de uma revista literária. Inicialmente, a idéia é lançar uma edição desta revista por ano. A Caravela, pra quem não se lembra, editou recentemente as biografias de Navarro, Jesiel, Homero Homem e Carlos Alexandre.

MAUTNER E OS NEURÔNIOS SALTITANTES

A noite e o FLIN foram encerrados com as falas e o show de Jorge Mautner e Bem Gil. Entre uma música e outra Mautner, autor da trilogia literária conhecida como “A Mitologia do Kaos” (Deus da chuva, e da morte, Kaos, Narciso em tarde cinza), ia discorrendo sobre questões filosóficas e existenciais, numa abordagem pra lá de original, que mistura Jesus Cristo, Karl Marx, Hanna Arendt, Tropicalismo, Socialismo, Grécia antiga, Brasil etc, e que deságua no conceito de “neurônios saltitantes” (segundo ele, os neurônios são pura emoção, “existem milhões de neurônios em nossos cérebros, desses milhões de neurônios, uns poucos, só alguns poucos, são neurônios saltitantes; conseguem captar as características mais novas, dentro do cérebro da mãe e do pai, que serão transmitidas aos seus filhos e filhas”).

Eu não conheço a obra literária de Mautner. Então, por enquanto, fico com sua música, que é muito boa. E o show foi ótimo. Embora a gente não tenha ainda se acostumado com Mautner no palco sem o seu eterno parceiro Nelson Jacobina.

Comentários

There is 1 comment for this article
  1. Moises de Lima 12 de novembro de 2014 11:00

    Florbela Espanca está viva e toca nesta quarta-feira às 20h no Espaço Cultural Ruy Pereira(hehehe!). Compareçam!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo