FLIN, primeiro dia

Por Tácito Costa – Fotos: Alex Régis

Perdi o bate papo entre Abimael Silva, Adriano de Sousa, Carlos Fialho e Márcio Simões sobre “as dificuldades editoriais no RN”, tema da mesa de abertura ontem à tarde do Festival Literário de Natal, na Ribeira. Mas acompanhei, sem arredar pé, as mesas da noite, pela ordem, com Tatiana Salem, Eduardo Agualusa e Adriano de Sousa; e com Tânia Lima e Milton Hatoum.

O encerramento do primeiro dia ficou por conta do poeta Antonio Cícero e da cantora Marina Lima. Contaram histórias da parceria, de como surgiram algumas composições e Marina cantou sucessos compostos pelos dois. Foi bacana, apesar da voz dela já não ser a mesma do início da carreira (li no Google que ela foi vítima de erro médico nas cordas vocais).

Cícero também discorreu sobre a relação entre poema e canção, ressaltando a importância dos dois gêneros, lembrando que não existe a supremacia de um sobre o outro. Ambos são importantes e tem características próprias bem definidas.

A mesa com Hatoum foi boa, mas poderia ter rendido mais. Achei as intervenções de Tânia longas. Ela fez uma bela apresentação do escritor, mostrando bom conhecimento da obra dele, mas mesmo esta poderia ter sido resumida.

Hatoum tratou de algumas questões cruciais para o escritor e a literatura, como memória e imaginação, nuances romanescas, crítica literária (respondendo à pergunta de Lívio Oliveira), “regionalismo”, Graciliano (pelas citações constantes, uma admiração forte do escritor), Machado, Céline, Borges, Raduan Nassar.

Já estive várias vezes dos dois lados, na mesa e na plateia, e pela minha experiência sei que o público quer ouvir mesmo é o escritor. Por isso, quando participo de mesa tento falar o mínimo possível, sempre buscando instigar, provocar o autor.

Da mesma forma, considero que os bate-papos com mais de duas pessoas na mesa tendem a render menos. Claro, aqui e ali ocorrem exceções, mas de um modo geral, como o tempo é curto para cada mesa, sempre ficamos com a sensação de que faltou dizer muitas coisas.

Foi o caso do encontro entre Agualusa, Adriano e Tatiana, três bambas em literatura, mas que tiveram pouco tempo para expor suas idéias. Apesar disso, gostei do resultado, principalmente da atuação de Adriano, que levantou algumas questões muito interessantes, como formação de leitores, e-books, estilos literários, memória.

No balanço geral, um primeiro dia muito proveitoso.

A Feira do Livro de Natal funciona dentro do Flin e dá espaço para a compra de livros e troca de ideias

Comments

There is 1 comment for this article
  1. Manoel Borba 7 de Novembro de 2013 17:09

    Tem coisa que quanto mais se alonga, mais parece curta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP