Flipipa 2015 esteve por um triz

Por Tácito Costa

Estive em todos os Flipipas. Algumas vezes na plateia, em outras nas mesas redondas. Nos últimos tempos tenho me “escondido” ou dado desculpas para não participar mais de mesas em encontros de literatura.

Pra mim, que sou tímido, é sempre um desafio danado ficar lá na frente. Fico tenso, não falo o que tenho de falar, me enrolo – rs. Gosto mesmo é de acompanhar os bate-papos a partir da plateia e depois tomar uma gelada com os amigos em algum bar.

Mas este ano me chamaram novamente para uma mesa. E essa eu não tive como dizer não porque vou estar acompanhado, melhor dizendo vou “fazer esteira” – rs, para dois amigos de longas datas, os escritores Demétrio Diniz e Aldo Lopes.

Eu gostaria que nossa conversa na mesa fluísse como ocorre nos encontros semanais na Café São Braz, no Midway. Pelo menos em parte, claro, uma vez que nesses encontros conversamos sobre tudo e não apenas acerca de literatura, uma paixão que uniu nossos destinos.

CRISE AMEAÇOU O EVENTO

candinhaPelo relato da produtora executiva do Flipipa, Candinha Bezerra, hoje no lançamento, faltou pouco para o festival deixar de acontecer este ano. A decisão só foi tomada mesmo há cerca de dois meses. A crise econômica, que atinge a tudo e a todos, tinha deixado tanto Candinha quanto Dácio na defensiva.

Os custos, o trabalho e a responsabilidade necessários para um evento desse porte são imensos e a essa altura ninguém queria se meter em uma aventura. Felizmente, os empresários de Pipa deram o gás necessário aos dois organizadores e o Flipipa foi salvo pelo gongo – rs.

Ainda bem, já bastam os teatros do estado e Casas de Cultura quase todos fechados ou abandonados.

Acho que é importante ressaltar também a força de patrocinadores e apoiadores de peso porque sem eles não haveria festival. Entre eles: Sistema FIERN, Sistema Fecomercio, Sebrae, Ecocil, Intertv Cabugi, Prefeitura de Tibau, e claro, os empresários de Pipa, que já citei mais acima. É esse pessoal aí que segura a onda para o evento ser grátis.

Eu gostei muito da programação (confira mais abaixo). A impressão é que teremos uma Flip em dimensões menores, com a vantagem de ser tudo gratuito. E como diz a música “só não vai atrás quem já morreu” – rs. Espero vocês lá.

VI FESTIVAL LITERÁRIO DA PIPA
DIAS 06, 07 E 08 DE AGOSTO, NO PIPA OPEN AIR, PRAIA DA PIPA – TIBAU DO SUL

PROGRAMAÇÃO

Dia 05/08 (pré-abertura FLIPIPA 2015)
Espaço de eventos Pipa Open Air
Assembleia Cultural Itinerante: Especial Flipipa
A programação é uma versão itinerante da Assembleia Cultural em parceria com o Flipipa.
18h – Apresentação da Orquestra Flauta Doce de Tibau do Sul
18h30 – Mestre Cobrinha: Sapateado de baiano
O brincante é considerado o maior galante sapateador de baiano, que são as jornadas do Boi de Reis. Em 2004, Mestre Cobrinha participou do Cd Toques & Cantares (Nação Potiguar), na faixa Toada de Boi de Reis (Domínio Público) com participação de Walter Franco. O CD faz um mapeamento sonoro da praia de Tibau do Sul-RN, com os seus cocos-de-roda, cantares de farinhada, jornada da lapinha, jornadas de pastoril.
19h – Show “Do Mar ao Sertão”, de Carlos Zens
Espetáculo poético-sonoro, onde o artista insere citações poéticas de Câmara Cascudo, Mário de Andrade, Osvaldo Lamartine, Raquel de Queiroz, Patativa do Assaré, Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, Renato Caldas, Euclides da Cunha e músicas de própria autoria e de outros compositores como Lenine, Jorge Mautner, Chico Antônio, Carlos Zens e Dácio Galvão.
E mais: Espaço Gastronômico Pipa Open Air, BiblioSesc – Biblioteca itinerante; espaço literário e estandes de livrarias e sebos.
:
DIA 06/08
Tema do dia: “Poemas da Tarde” – Hélio Galvão
08h – Recital com Maria Flor;
8h30 – Sessão de Contos com Nara Kelly;
9h30 – Contação de Histórias com Camille Carvalho, Paula Queiroz e Rafael Telles;
10h30 – Ação Sesc de Incentivo à Leitura com os autores: César Ferrario (RN) e Patrícia Barbosa (RJ)
11h30 intervalo
13h30 – Contação de Histórias com Camille Carvalho, Paula Queiroz e Rafael Telles;
14h30 – Ação Sesc de Incentivo à Leitura com: César Ferrario (RN) e Patrícia Barbosa (RJ)
15h30 – Dona Lídia e o Pastoril de Cabeceiras

18h – Intervenção teatral grupo Alegria, Alegria
TENDA DOS AUTORES
19h30 – Mesa literária 1: “Das Falanges de Máscaras a Real Grandeza”
Com o compositor, violonista, cantor e poeta Jards Macalé e o poeta, compositor e ensaísta Antônio Cícero

20h30 – Mesa literária 2: “Macunaíma e Chico Antônio na biografia de Mário de Andrade”
Com o escritor e filósofo Eduardo Jardim, biógrafo de Mário de Andrade; e o jornalista e cronista Vicente Serejo
22h – Banda Choro do Elefante

07/08- SEXTA-FEIRA
Tema do dia: Derradeiras “Cartas da Praia”
8h – Contação de Histórias com Paula Medeiros
9h – Cia Cênica Ventura: “As Histórias de Dona Chica”
10h Ação Sesc de Incentivo à Leitura: Marcel Matias (RN): “Um estudo sobre Mário de Andrade”
Gelson Bini (SC)- Guia de leitura para mediadores
11h30 Intervalo
13h30 – Cia Ventura: “As Histórias de Dona Chica”
14h30 Ação Sesc de Incentivo à Leitura: Marcel Matias (RN)– Um estudo sobre Mário de Andrade
e Gelson Bini (SC)- Guia de leitura para mediadores

TENDA DOS AUTORES
19h – Mesa literária 3: “Cem anos de Djalma Maranhão”
Com Woden Madruga, Ticiano Duarte e Willigton Germano
O encontro costura a linha do tempo do ex-prefeito Djalma Maranhão (Natal, 27 de novembro de 1915/ Montevidéu, 30 de julho de 1971), que foi professor, jornalista e prefeito eleito por voto direto. Promoveu uma série de iniciativas que marcaram o dinamismo de sua administração, sobretudo na área de educação. Imortalizou sua gestão com o projeto “Pé no Chão Também se Aprende a Ler”, coordenada pelo professor Moacyr de Góes, então secretário de Educação, com o objetivo de erradicar o analfabetismo na capital. Em 1964, com o golpe militar, Djalma é preso e levado ao Quartel General por ter sido contrário aos ideais militares da época. Na Guarnição, o coronel Mendonça Lima lhe ofereceu liberdade em troca da renúncia ao cargo de prefeito. Djalma não aceitou e foi encaminhado à prisão. Passou pelas celas de Fernando de Noronha e, depois, em Recife. No mesmo ano, pediu exílio político e foi para Montevidéu.

20h – Mesa Literária 4: “Campos e espaços do conto e da crônica”
Com a escritora Marina Colasanti e convidado

21h – Mesa literária 5: “Cidade, Antropologia & poesia”
Com o antropólogo, poeta e historiador Antônio Risério (BA) e a antropóloga Wani Pereira (RN)

08/08- SÁBADO
“Paralelos dos legados de Hélio Galvão e o Turista Aprendiz, de Mário de Andrade”
8h O poeta Lívio Oliveira abrindo os “Paralelos dos legados de Hélio Galvão e do Turista Aprendiz” com o mestre Pedro Benedito
9h Histórias com Vinícius Viramundos (PE)
10:00 Ação Sesc de Incentivo à Leitura: Alexandre Alves (RN) e Vinícius Vira Mundo (PE)
11:30 INTERVALO
13:30 – Contação de Histórias com Vinicius Viramundos (PE)
14:30 Ação Sesc de Incentivo à Leitura: Alexandre Alves (RN) e Vinícius Vira Mundo (PE)
15:30 Mesa dos paralelos: Livio Oliveira e Carlos Fialho: Os Legados de Hélio Galvão e Mário de Andrade e os Novos caminhos na literatura do RN
18h: Encantaria: coreografia de Anísia Marques inspirada na gravação de “Boi Tungão” (de Chico Antônio) – registro gravado há mais de uma década pela Orquestra Sinfônica com arranjos de Danilo Guanais.

TENDA DOS AUTORES

19h30: Mesa literária 6: Literatura e sertão: quando o regional e o universal
Com o romancista Aldo Lopes, o poeta e contista Demétrio Diniz e o jornalista Tácito Costa
20h30: Mesa literária 7:“Caminhos do Filho do Holocausto e o filho de Sertânia”
Com Jorge Mautner e Marcelino Freire
22:00 Show Qu4tro: Grupo Qu4tro reúne os artistas potiguares Khrystal, José Fontes, Sami Tarik Soares e Ronaldo Freire de Lima. Apresenta músicas autorais e versões singulares de Jorge Mautner, Milton Nascimento, Dominguinhos, Genival Lacerda, entre outros.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo