fly me to the full and let me play among the cars

o viaduto, o surto
o salto
veias abertas no Baldo
sorrisos de pedra,
sangue e asfalto

a nossa fome incriada
seca braba, rio turvo
o passo em falso,
a queda
da pátria. o pulso

na barriga da ordem o anti-remédio,
a cura, a curra,
o prédio-presídio.
a nossa sorte lançada
à revelia de nós.

higiene nas ruas da casa:
dejetos de paz
escorrem do cu
mal-lavado
dos policiais

Comments

There are 3 comments for this article
  1. Jarbas Martins 16 de Junho de 2011 10:45

    a poética contramão de jota mombaça

  2. nina rizzi 16 de Junho de 2011 11:26

    pra jota mombaça

    arranquei um naco do meu dedo
    enquanto pensava que ele podia subir as escadas, gritar.
    sangue junto à enorme unha encarnada.

    ardume

    os dedos, círculos. meu riso de matilda.

    [tweenty seven inch nails, nina rizzi]
    *

  3. Civone Medeiros 17 de Junho de 2011 4:48

    das Escrituras Sangradas… de Romãs:

    ‘…E as romãs na manhã tudo encanta e encarna!’

    P.S.:
    Grata D+ por tuas reverberações… Por existires-quão-será-que-se-Des(a)tines…

    Surto-me pour Vous…

    Você me ata! Me ataca e ata e livra de não ser vil nem vã…
    Nem incólume minhas aragens e passagem vária por estas paragens párias!

    AMOTE.com/DEVOTAção!

    ^cm

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP