Fotos e falas de o #OMinCéNosso

Titina Medeiros – Atriz: “A nossa questão vai além da defesa do Ministério da Cultura. Estamos aqui lutando contra a desinformação em relação ao nosso trabalho, estamos lutando pela nossa profissão e para mostrar que o artista faz parte da sociedade e da vida do homem.”

6

Daniel Dantas Lemos – Professor do Curso de Jornalismo da UFC: “Hoje (19/05) eu ministrei uma aula da disciplina de ética jornalística aqui. É importante trazer o debate da universidade para os espaços ocupados. Já levei outras aulas à espaços de ocupação e acho isso fundamental para que o estudante reflita sobre o contexto sociopolítico que o país vive.

3

César Ferrário – Ator: “O movimento e esta ocupação é por algo muito maior. Estamos aqui para mostrar que estamos vivos e que continuamos com a capacidade de nos indignar, lutar, acreditar e, sobretudo, de sonhar.”

1

Mauricio Mota – Professor de Teatro da UFRN – “Fizemos uma reunião com alunos de escolas que vieram obter informações sobre a ocupação. Foi muito gratificante, pois o mais importante é lutar pela proliferação do conhecimento. A minha participação é tentar semear sementes e os cortes dos ministérios é como tirar a terra dessas sementes.”

5

Renata Marques – Produtora Cultural: “Isso que está acontecendo no país interfere diretamente na nossa vida. Não é só pelo MinC, é por todos os direitos que foram ou estavam sendo conquistados e agora desceram água abaixo. É por isso que estou aqui hoje.”

8

Carlos Zens – Músico e compositor: Nós estamos vivendo um momento muito delicado e cada um de nós pode participar com as suas experiências. Estamos aqui para juntar forças, os movimentos estão crescendo em todo o país e isso é uma resposta contra a arbitrariedade que foi a extinção do Ministério da Cultura.

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + onze =

ao topo