Fragmentos

Por Ednar Andrade

Ei, estou aqui pensando em todo este silêncio; “Silêncio que a minha boca rejeita”. O ontem tem hoje, nisso, uma parcela. Ontem tanto, hoje nada.

E é o nada de hoje. Que me estrangula a quietude da alma. É assim que você precisa me ver: Andando absorvida deste jeito por mil pensamentos. Pareço uma fera que ruge, presa.

Agora, por exemplo, “a minha calma virou mar”; A minha lucidez foge totalmente. Olho-me no espelho do meu quarto. Minha fisionomia parece de uma mulher estranha,

Estranha demais para o sorriso dos meus olhos travessos. Hoje eu queria o meu ontem. Que maravilha! Repito minha frase: é quando pode dois, um ser.

Um pássaro, um pardalzinho desses, que tenho no quintal, Que bom! Eu queria ser, Pois só assim eu voaria para a tua janela.

Olhando nos olhos, no fundo dos olhos, Eu te diria baixinho Para ninguém ouvir que hoje me tiras a calma, Da mão a palma, o riso, a razão, da voz o som. Mas, diria também que tudo ontem foi bom.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − sete =

ao topo