Galeano ganha prêmio por livro de futebol

BARCELONA, 22 DEZ (ANSA) – O escritor uruguaio Eduardo Galeano foi anunciado hoje como o ganhador da sétima edição do Prêmio Manuel Vázquez Montalbán no gênero jornalismo esportivo.

O autor de “O Futebol ao Sol e à Sombra” de 1995, em que reconta a histórias dos mundiais, ganhou hoje a premiação internacional que a associação de jornalistas da Catalunha entrega desde 2004.

No livro, um clássico do jornalismo esportivo, o uruguaio reúne episódios e personagens que lhe permitem descrever glórias e misérias de um esporte cujos efeitos transcendem ao que ocorre no campo de futebol.

Conhecido por sua paixão ao esporte, Galeano se diz um “mendigo do bom futebol”. Durante a Copa ele conta ter colocado em sua porta um aviso dizendo “Fechado para o Mundial”, para poder acompanhar a última edição do torneio — quando o Uruguai conseguiu conquistar umas inesperada quarta posição na competição.

Entrevistado pela ANSA durante os últimos dias do Mundial, o autor lamentou que o campeonato tenha terminado “quase como uma Eurocopa”. E disse não gostar que o primeiro Mundial africano tenha se encerrado sem seleções regionais ” e contando com jogadores africanos muito bons jogando para times que escravizaram seus avós”.

Ele ainda se mostrou animado com seleções como de Gana, Argentina e Paraguai, que mesmo perdendo, regressaram a seus países festejados pela população. Porque no futebol, assim como na vida “tem coisas mais importantes que o êxito ou o fracasso”, conclui.

Galeano também é conhecido como o autor de “As veias abertas da América Latina”, de 1970, obra clássica sobre a colonização da porção latina do continente americano e de “Memórias do Fogo”, de 1986, ambas traduzidas para mais de vinte idiomas.

O escritor, que em 2010 completou 70 anos, desenvolveu uma importante carreira jornalística na revista Marcha e no jornal Época, que trabalhou no Uruguai, durante a década de 60. Em 1973, dirigiu em Buenos Aires a publicação cultural Crisis, onde se encontrava exilado por conta da ditadura que se instalara em seu país. (ANSA)

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + três =

ao topo