Gil e Bethânia no Festival Literário de Natal? Dácio Galvão responde e fala ainda sobre o FLIPIPA

Os nomes de Gilberto Gil e Maria Bethânia foram colocados nas redes sociais e ganhou alguma repercussão como atrações principais da próxima edição do Festival Literário de Natal (Flin). Mas não há absolutamente ninguém confirmado ainda para o evento.

Conversei agora há pouco com o presidente da Funcarte, Dácio Galvão. Ele ainda está no Rio de Janeiro batendo esteira para o prefeito Cadu Alves nas negociações com escritores e artistas para compor o Festival, que acontecerá entre 6 e 8 de novembro novamente no Largo da Praça Augusto Severo, na Ribeira.

Segundo Dácio, há sim uma sinalização positiva da parte de Gil e de Bethânia. No caso da irmã de Caetano, a participação seria apenas para um recital. Ela não cantaria nem participaria de nenhuma mesa temática. Já o Gilberto, participaria de uma mesa sobre cultura e globalização e encerraria com show.

Outros nomes e intenções
A escritora Nélida Piñon também foi contatada, recebeu o prefeito e Dácio muito animada em sua casa. Mas na data do festival ela tem compromissos no México e na Espanha. Ainda assim prometeu uma brecha na agenda para tentar vir a Natal.

Entre os nomes ventilados estão o dos escritores e poetas Eucanaã Ferraz (de novo), Fernando Morais e Rodrigo Lacerda. Esses últimos dois em razão da querência de Dácio em levantar o tema da biografia. Rodrigo é neto de Carlos Lacerda e já escreveu sobre o avô.

Dácio disse querer focar a temática geral deste ano no romance, sem deixar alguns braços para outros gêneros necessário não só à discussão, mas às reverências. É que a poesia marginal está completando 40 anos e há uma intenção de também levar esse tema ao Festival.

Para tanto, alguns nomes estão em mente. O ensaísta Frederico Correia lançou recentemente, pelo Instituto Moreira Sales, um livraço sobre a poesia marginal e poderia ser um nome. E para completar, ícones do gênero: Chacal, Charles Peixoto, Ronaldo Santos e Bernardo Vilhena, personagens também de um sobre a poesia marginal.

Nomes repetidos
Embora o Flin seja bem aceito pela crítica geral, há reclamações quanto a alguns nomes repetidos. Eucanaã Ferraz seria uma deles. Este blogueiro questionou e Dácio lembrou que o poeta tem livros recentes lançados e quando veio foi como mediador da mesa de Caetano Veloso.

Dácio frisou também que não há um leque tão grande assim para que tantos escritores estejam presentes em festivais a cada ano. “Veja que a Flip este ano divulgou sete escritores que já estiveram aqui: José Miguel Wisnik, Jorge Mautner, Eucanaã, Antonio Cícero, Marcelino Freire, Antônio Risério e João Gilberto Noll, este último no Flipipa. Ou seja: A Flip já veio a Natal.”

Recessão pública e privada
As intenções de Gil e Bethânia são reais e, evidentemente, dispendiosas. Mas a ideia é que o formato do evento seja mais enxuto este ano. “Esse processo de recessão poderá interferir. Não que diminuam as atrações, mas que sejam mais enxutas no sentido da qualificação”, pondera. Dácio garantiu a realização do evento já que há boas perspectivas de patrocínio junto ao Midway e à Cosern.

E EM PIPA?
Como bem lembrou Dácio, a atual situação econômica do país atinge não só o público, mas também o privado. E o Flipipa também deverá ser mais enxuto. Ainda assim há bons sinais vindos do SESC, da Ecocil e da Cabugi. Vai ter reunião em breve para discutir o novo formato. O local será mantido, no estacionamento de ônibus de Pipa e a data será de 6 a 8 de agosto.

Entre os nomes ventilados, tal qual o Flin não há nada confirmado. O escritor português Walter Hugo Mae, popular na Europa, estará no Brasil, já foi contatado e há um boa possibilidade de estar presente no Flipipa.

Benjamin Moser, responsável pela biografia de Clarice Lispector, é outro nome possível.

Com um novo livro sobre Tom Zé, Dácio já estuda trazer o cabra também. A lembrar: Tom Zé seria a atração musical no dia de Natal, mas adoeceu no dia e o show foi cancelado.

Normalmente, pela parceria com a Cabugi, também é de praxe um nome relacionado à teledramaturgia, entre a atuação e a escritura literária.

E é isso. Eventos literários em construção. Bons nomes ao vento. Expectativas lançadas e algum confete. Quem venham os festivais!

FOTO: CAMILLA MAIA

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo