Google na mira

“A marcha dos governos autoritários contra os direitos individuais na internet prossegue em ritmo acelerado. O Ministério das Telecomunicações do Irã anunciou, no início de fevereiro, que pretende inaugurar um serviço doméstico de e-mails, proposta que lembra o esquema ventilado pela Turquia. A diferença é que o governo iraniano tem na mira o Google: quer suspender as contas do Gmail que pertencem aos usuários domésticos e impor a alternativa nacional. É de se esperar que qualquer serviço oferecido pelas autoridades do Irã seja de fácil monitoramento, o que possibilitaria maior controle sobre a expressão dentro do país e, principalmente, sobre o movimento oposicionista. O regime não consegue ler os e-mails dos dirigentes e simpatizantes da oposição caso eles utilizem o Gmail, um dos poucos serviços que codificam os dados enviados entre o usuário e os servidores do e-mail.

É curioso que o alvo seja novamente o Google, anteriormente vítima de ataques na China. A ofensiva iraniana não tem a mesma escala do que a empresa sofreu na China, quando seus servidores, além das contas e comunicações de usuários de seus serviços, foram bombardeados por ataques cibernéticos originados dentro do país. Mas o fato é que o cerceamento ao Google é proposital e mostra o interesse dos governos em atingir interesses americanos. Quem perde com toda a disputa é o usuário, que fica privado do direito à informação e à livre expressão. (Carta Capital)

ao topo