Graciliano sob o olhar de Rachel

Graciliano Ramos e Rachel de Queiroz

Por Elvia Bezerra

A última pergunta que o jornalista Homero Senna fez a Graciliano Ramos quando o entrevistou em 1948 para a Revista do Globo foi:

– Acredita na perenidade da sua obra?

Garante o entrevistador que, sem qualquer pose, antes “dando a impressão de que falava com absoluta sinceridade”, Graciliano respondeu com seu proverbial azedume:

– Não vale nada. A rigor, até, já desapareceu.

aqui

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − dez =

ao topo