.grafitei

.grafitei
basquiat
não no brooklin
foi ali
na viela
sem saída
onde somente
a percepção
leria
o poema
black neon
feito
com a
mão esquerda
grafitei
a dor
a saudade
um
by
com o teu nome
.
.
.
escorre
no olho
do
palhaço
by

Comments

There are 5 comments for this article
  1. Lívio Oliveira 12 de Outubro de 2013 12:42

    Oreny, estou gostando e (acho) entendendo cada vez mais sua poesia. Confesso meu preconceito anterior. E peço desculpas, publicamente. Quero ler mais.

  2. Oreny Junior
    Oreny Junior 12 de Outubro de 2013 17:35

    Obrigado, Lívio
    Fico feliz com o seu gostar, é a liberdade do verso, fragmentado ou não, tudo é poesia.
    Abraços

  3. Robervândio 13 de Outubro de 2013 0:19

    Mesmo sem saber inglês, nem ter ido a Nova York, consigo apreender a produndida compacta e imagética de Oreny. Os poetas se comunicam pelos arquétipos do inconsciente coletivo. Sem dúvida, TUDO é poesia no Rio Grande do Norte.

  4. Danclads Andrade
    Danclads Andrade 13 de Outubro de 2013 14:02

    Códigos e imagens saltam aos olhos do leitor na mensagem poética de Oreny, permitindo interpretações e dando asas á imaginação. Significados apreendidos em cada verso. Poeta, cada vez mais admiro sua arte.

  5. Oreny Júnior 13 de Outubro de 2013 21:51

    Amigos Pluralistas, Robervândio, Danclads, fico grato com os comentários, é um incentivo para continuidade da arte, certeza virão novos posts.
    Abração a todos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP