Guimarães, Graciliano e Fernando Monteiro

rosaCaro Tácito,

achei deliciosa a matéria “Ah, gostaria de ter escrito…”. Por esses dias reli “Grande Sertão: veredas”, “Sagarana” de Guimarães Rosa e “Angústia” do grande e genial Graciliano Ramos. Considero “Angústia” a obra mais bem acabada e construída do velho Graça. A alternância entre o externo e interno, que Graciliano Ramos promove e consegue, lembra em muito “Crime e Castigo” de Dostoievski. Penso que Graciliano teria citado Raskolnikov entre suas influências para a criação de Luis da Silva, para aproveitar o caminho iniciado por Harold Bloom.

Aproveitando estou para iniciar a leitura que o nosso Fernando Monteiro faz de Akhenaton. É impressionante como Fernando nos surpreende a cada livro seu. Akhenaton é uma de minhas paixões, que poderia ter sido submetido a uma leitura critica de Elaine Pagels como a mesma fez com “Os evangelhos gnósticos” e “As origens de satanás”. Já tenho comigo a biografia de T. E. Lawrence. Estou batendo bola para iniciar a leitura dos romances de Monteiro “Aspades” e “Armada América”. Penso que Monteiro merece estudos mais aprofundados.

Abraços,

Go to TOP