Hamlet, dos Clowns de Shakespeare, estréia temporada nesta quarta

Com direção de Marcio Aurélio, o novo espetáculo dos Clowns de Shakespeare estreia dia 30 de janeiro, às 20h, no Barracão Clowns. A apresentação também abre as comemorações de 20 anos do grupo, que continua em temporada com a peça até fevereiro.

Para montar sua versão de “Hamlet”, os Clowns de Shakespeare se debruçaram sobre cinco traduções da obra, e chegaram ao texto final através de um aprofundado trabalho de mesa com Marcio Aurélio, um dos mais importantes encenadores do teatro brasileiro contemporâneo, e os assistentes de encenação Lígia Pereira e Fernando Yamamoto.
SERVIÇO
Datas: 30 de janeiro a 3 de fevereiro; 13 a 17 de fevereiro; 20 a 24 de fevereiro.

De quarta a domingo.

Horário: De quarta a sexta: 20h; sábado e domingo: 19h.

Local de apresentação: Barracão Clowns (Av. Amintas Barros, 4673 – Nova Descoberta).

Ingressos: R$ 20,00 (inteira); R$ 10,00 (meia)

Informações: (84) 32211816 / desembucha@clowns.com.br

Venda de ingressos:

– POTY LIVROS, av. Sen. Salgado Filho 2850, Candelária (Próximo ao Natal Shopping).

– Barracão Clowns, av. Amintas Barros, 4673, Nova Descoberta.

Comentários

Há 5 comentários para esta postagem
  1. Lívio Oliveira 31 de janeiro de 2013 8:36

    Fui ver a peça. Confesso que esperava mais da montagem. De qualquer forma, sugiro que vão conferir.

  2. Lívio Oliveira 30 de janeiro de 2013 9:33

    Concordo com Marcos quanto à insuficiência da crítica do JC.

  3. Marcos Silva 30 de janeiro de 2013 9:10

    Não assisti ao espetáculo. A crítica que Lívio indica é marcada por adjetivos e classificações, não explica porque um ator é bom e outro é ruim, não justifica a avaliação favorável da iluminação. E informa ao leitor o enredo de Hamlet, tão conhecido.
    No tempo em que morei aí, assisti a um Hamlet montado por Jesiel Figueiredo. Considerei um esforço respeitável, que enfrentou as dificuldades de praxe. Aliás, Figueiredo tinha um senso de escolha no repertório muito interessante – Faulkner/Camus, Nelson Rodrigues, Suassuna, Shakespeare. Ele contribuiu para a recolocação em cena de “Toda nudez será castigada”, que estava proibida pela censura. A montagem natalense, inicialmente proibida, mereceu apoio de atores e diretores dos grandes centros nacionais. E a peça findou liberada.

  4. Lívio Oliveira 30 de janeiro de 2013 8:10

    De qualquer sorte, vale lembrar que o grupo “Clowns de Shakespeare” é uma das melhores coisas que temos na cena cultural potiguar. Sou admirador confesso da rapaziada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo