homem peixe fome

Para Anchieta Rolim

o pescador não tem câncer de pele
câncer
Pele
o pescador não tem peixe
que sacie a fome
peixe
fome
o pescador não tem fome
que sacie o câncer de peixe

Filho de Apodi/RN é Jornalista, assessor de imprensa e eventos do Instituto do Cérebro da UFRN. Membro do coletivo independente Repórter de Rua, articulista no Jornal de Fato (www.defato.com) e organizador da Revista Cruviana (www.revistacruviana.blogspot.com).rinas & Urubus (www.aspirinasurubus.blogspot.com). [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Danclads Andrade 24 de agosto de 2011 23:32

    Um poema assim abre o apetite poético do leitor. Bravo!!!!

  2. Regiane de Paiva 23 de agosto de 2011 16:37

    Na poesia, tudo pode. O inusitado, o lógico, o ilógico, a harmonia, a desarrumação… A sua nos leva a um mergulho, de boca no peixe, de boca no mar, de boca na pele, de costas pro câncer… “qué sé yo!”. Só apreciação e admiração! Ótima poesia! Xero meu querido!

  3. Lígia Sacras 23 de agosto de 2011 0:20

    Poesia que mata a nossa fome de harmonia, também, José ? Boa !

  4. Anchieta Rolim 22 de agosto de 2011 16:26

    BRAVO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo