Homem

semente

Germina.
Alheio
nasce,
Floresce,
vive,
cresce
Então
morre.

Comments

There are 4 comments for this article
  1. Anchieta Rolim 16 de Outubro de 2013 13:00

    Eita…E ele veio, vem e vai rápido como um raio. alguns, deixam bons frutos, enquanto outros, não deveriam nem…

  2. Marcos Silva 17 de Outubro de 2013 9:31

    Esse bonito poema é um convite a pensar sobre o não dito. Quais os desdobramentos e as articulações de cada palavra enunciada? Entre os dois primeiros versos e os dois últimos, quais vínculos com seres humanos e com o mundo inteiro são estabelecidos?
    É muito bom perceber que a concisão não se encerra nela mesma.

  3. Ednar Andrade 18 de Outubro de 2013 16:14

    “Não vejo as coisas como completas,
    nem mesmo quando elas chegam ao fim.

    Meus poemas,
    mesmo depois de escritos,
    ouço seus gritos dentro de mim”.

    (João Andrade).

    Querido Marcos, concordando com o querido poeta João Andrade, assim também vejo.

    Abraço, querido amigo, saudade.

    Mais uma vez agradeço a análise sincera e o teu olhar sobre o que escrevo.

    Cresço.

    Beijos.

  4. Ednar Andrade 18 de Outubro de 2013 16:15

    Não deveriam, querido Anchieta, mas…

    Abraço, querido.

    Até dia 24, onde estaremos juntos no lançamento do teu livro “Contagem Regressiva”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP