Homo Libris

pensando

O homem carrega dentro de si um livro,
Alguns com páginas jamais editadas…
Alegrias derramadas, sofrimentos contidos,
O homem carrega dentro de si o seu próprio livro.

Entre verdades e fantasias,
Seu habitado mundo
Pode ser seu próprio sepulcro.
Homem, bicho que pensa.

Escreve, arquiteta seu destino;
Feito para amar e mata;
Feito para beijar; maltrata.
O homem, arquitetura de Deus;

Obra feita com graça;
Órfão ruim, largado na desgraça.
Homem, tradução imperfeita
Do seu absoluto e reticente ser.

É de si cruel e capataz.
Condenado está de si mesmo;
Sentencia-se por pura opção:
A ser feliz ou viver em vão.

Escreve tantas vezes,
Com letras invisíveis, histórias negras.
Em sua secreta alma habita o anjo
Do bem ou do mal

E com ele bebe fel, destila veneno
E perde a própria essência…

Mas há também o homem,
Aquele raro homem,
Que ao seu anjo atende,
Desfaz-se em amor

E vive contra qualquer sorte
Na guerra de vencer
O seu anjo da morte.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + treze =

ao topo