haole

HQ ambientada em Natal tem protagonista negra, surfista e deficiente física

Já pensou em uma HQ ambientada em Natal e com uma heroína mulher, surfista, negra e deficiente física? Esta é Irene, personagem da história em quadrinhos Haole, criada pelo selo Pagu Comics, em 2016 e que agora voltou em formato e-book.

Haole é uma HQ em cinco partes e conta a história de Irene, uma jovem surfista negra e deficiente física, que sofre com fantasmas de seu passado. Ela passará por uma experiência extraordinária ao ser transportada para um mundo paralelo, o qual é um misto de Lewis Carroll, Tim Burton e David Lynch.

“Quando a Haole foi criada vivíamos um momento de reconstrução do mercado de quadrinhos nacional, onde as mulheres estavam reencontrando seu espaço, tanto como leitoras quanto como artistas, produzindo zines e HQs numa efervescência avassaladora, sem medo de fazer experimentações e focando em trabalhos mais conceituais”, ressalta a roteirista Milena Azevedo.

Como destaca Milena é importante para as garotas ter heroínas nas quais possam se identificar, sendo personagens ativos, que não fiquem à sombra do herói e nem se desdobrem em caras, bocas, poses e microuniformes de alto apelo sexual.

“As heroínas do Pagu Comics eram mães e donas-de-casa, profissionais liberais independentes, universitárias e jovens problemáticas, pertencentes a vários grupos étnicos e orientações sexuais e crenças diversas. Em suma, mulheres fortes, que apanham da vida e aprendem a bater de volta”, conclui.

Todos os cinco números estão disponíveis para compra na Loja Kindle, da Amazon (a R$ 6,00 cada), e nesse mês de agosto saiu a compilação dos cinco números, com extras e capinha nova (117 páginas, a R$ 24,50).

Para conferir clique AQUI e as novas edições AQUI.

EQUIPE DE HAOLE

Roteiro e letras: Milena Azevedo

Arte: Sueli Mendes e Chairim Arrais

Arte-final: Blenda Furtado, Chairim Arrais e Jéssica Lang

Cor: Wayne Ribeiro, Brendda Lima e Vanessa Reyes

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete + 16 =

ao topo