A humanidade mentindo e o menino morrendo

Por João da Mata
Sob o clamor do mundo eles matam
Sugam as riquezas dos povos eternamente colonizados
Vivem para morrer e matar o diferente
Vestígios de antigas e ricas civilizações são apagados
E fecham os olhos para o desespero do mundo.
Falida civilização capitalista e egoísta
Pedimos a diversidade e somos cada vez mais iguais
No mediterrâneo mar de Braudel a morte
Esse menino somos todos nos.
Esse menino é Moisés.
É Deus: rogai pela humanidade que apodrece.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Há 4 comentários para esta postagem
  1. Matheus D'Leon 5 de setembro de 2015 16:01

    O Ser humano em busca da calmaria,ultrapassam,não só uma fronteira,mas várias delas,uma dessas é deixar o “lar pátria” e tudo aquilo que paises ricos,poderia amenizar,faz sofrer em estradas e lágrimas,perdas,vidas que vão sem saber até o por que,nosso mundo terra,perdeu a compaixão,o sentimento,o caráter,a sensibilidade,a inteligência,o acolhamento daqueles que necessitam da “VIDA”,QUE PENA!!!
    Parabéns João da Mata por este poema.

  2. João da Mata 8 de setembro de 2015 13:15

    Muito agradecido caro Matheus pelos comentários e apreciação do poema. Forte abraço. João da Mata

  3. Maria Aparecida Anunciata Bacci 10 de setembro de 2015 20:12

    Infelizmente a humanidade não aprende com seus erros,ela cada vez erra mais em nome do poder, da política e da religião, as colonias jamais puderam fechar suas feridas,porque de uma forma ou de outra continuam sendo colonias, nesse mundo alucinado muitas relíquias desaparecem, e infelizmente os que precisam de maior atenção são negligenciados e descartados como se fossem nada,precisamos parar e urgentemente olhar próximo infinitas vezes,e acolher cada vez mais,e dar um grito de basta,porque muitos ainda sabem que uma rosa é uma rosa. Parabéns João Damata pelo poema.

  4. João da Mata 11 de setembro de 2015 9:51

    Muito grato Maria Bacci pela leitura atenciosa do poema. A humanidade vive um retrocesso ético e moral. Vivemos em dias tristes quando o poder econômico e bélico querem controlar o mundo. Abraços fraternos. Obrigado pela visita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo