Ignis

De Mendeleev
A Shakespeare
Todos contorciam-se
Na fogueira.
Era uma fogueira santa, sábia.
Queimavam números,
Ardiam personagens.
Uma dança de fumaça e pó.
As labaredas comiam os cálculos,
Os versos, as rimas, sem que nada
Ou ninguém pudesse salvá-los da sorte.
Da biblioteca ao fogo,
Da estante aos destroços,
Migraram, como o homem,
Para o seu instante letal.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo