Impressões do Festival Recifense

Christiano Aguiar, um dos editores da EITA, e Heloísa Arcoverde (dir.), gerente da GOLE (Gerência Operacional de Literatura e Editoração da FCCR), que realiza o Festival Recifense há 8 anos

O Festival Recifense de Literatura, já no seu oitavo ano está firme e forte. Foi o que constatei ontem, na minha segunda participação – fiz parte de outra mesa redonda há uns cinco anos. O evento é realizado pela Prefeitura, através da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife, que vem fazendo um bom trabalho. Foi o que ouvi de algumas pessoas – escritores, jornalistas e produtores culturais – com quem conversei.

Além do festival, bem organizado e de alto nível, chamou-me atenção dois outros projetos desenvolvidos, a Agenda Cultural, editada quinzenalmente em formato de livro de bolso, bem diagramada, distribuída gratuitamente e que traz a programação cultural da cidade, reportagens e entrevistas. Com tiragem de 40 mil exemplares é publicada há… 15 anos.

O outro projeto, que fez os olhos cansados desse editor brilhar como há muitos anos não acontecia foi a revista EITA. Um projeto editorial ousado – forma e conteúdo -, não conheço nada parecido feito no Brasil hoje. A publicação está no seu quarto número. Eu trouxe os dois últimos comigo e posso emprestar para quem quiser ver de perto e não pensar que estou exagerando.

A revista é publicada pela Secretaria em parceria com o Centro de Design do Recife e uma de suas características é ter um projeto gráfico diferente a cada edição. Os dois números que trouxe comigo são completamente distintos graficamente, mas dois primores editoriais.

Revi amigos de outros carnavais como a poeta Márcia Maia, Fernando Monteiro, Ronaldo Correia de Brito e Homero Fonseca, conheci os escritores Rinaldo de Fernandes, Marcelino Freire, Altair Martins e Antônio Carlos Viana, de Sergipe, que dividiu a mesa comigo, e um dos editores da EITA, Christiano Aguiar. E ainda o artista plástico, escritor, blogueiro, fotógrafo e agitador cultural, Pedro Rodrigues, do blog Vetor Cultural – http://www.vetorcultural.com/index.html – uma grande figura humana na paisagem recifense.

Antes e depois da minha mesa, tive conversas aprumadas e longas com Fernando Monteiro, que me deu uma grande notícia, está de volta à direção cinematográfica. Vai dirigir um longa-metragem sobre a França Antártica (fundada pelos franceses em 1555 no Rio de Janeiro). O roteiro já está pronto e o contrato fechado. Foi entregue aos produtores e será publicado ainda este ano no livro “Sete contos do paraíso e um roteiro”. Os contos se passam no período em que se deu a invasão francesa e culmina com o roteiro.

Só lamentei a pressa da viagem. Como tinha de estar aqui hoje não pude aproveitar mais a efervescência cultural do Recife, que ao contrário de Natal, vive um bom momento nessa área.

E por último, voltei meio desalentado porque não há como não comparar o que está acontecendo lá e aqui.

Abaixo, os contatos da revista Eita:

Revista Eita! 4

R$10

Onde encontrar: Livraria Cultura (R. Madre de Deus, s/n

Recife – PE, 50030-110) e na Gerência de Literatura e Editoração – Gole (Av. Rio Branco, 76 A, Bairro do Recife, CEP 50030-310, Recife, PE)

Mais informações: 3355-3144 3232-2937

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × quatro =

ao topo