Impressões do Festival Recifense

Christiano Aguiar, um dos editores da EITA, e Heloísa Arcoverde (dir.), gerente da GOLE (Gerência Operacional de Literatura e Editoração da FCCR), que realiza o Festival Recifense há 8 anos

O Festival Recifense de Literatura, já no seu oitavo ano está firme e forte. Foi o que constatei ontem, na minha segunda participação – fiz parte de outra mesa redonda há uns cinco anos. O evento é realizado pela Prefeitura, através da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife, que vem fazendo um bom trabalho. Foi o que ouvi de algumas pessoas – escritores, jornalistas e produtores culturais – com quem conversei.

Além do festival, bem organizado e de alto nível, chamou-me atenção dois outros projetos desenvolvidos, a Agenda Cultural, editada quinzenalmente em formato de livro de bolso, bem diagramada, distribuída gratuitamente e que traz a programação cultural da cidade, reportagens e entrevistas. Com tiragem de 40 mil exemplares é publicada há… 15 anos.

O outro projeto, que fez os olhos cansados desse editor brilhar como há muitos anos não acontecia foi a revista EITA. Um projeto editorial ousado – forma e conteúdo -, não conheço nada parecido feito no Brasil hoje. A publicação está no seu quarto número. Eu trouxe os dois últimos comigo e posso emprestar para quem quiser ver de perto e não pensar que estou exagerando.

A revista é publicada pela Secretaria em parceria com o Centro de Design do Recife e uma de suas características é ter um projeto gráfico diferente a cada edição. Os dois números que trouxe comigo são completamente distintos graficamente, mas dois primores editoriais.

Revi amigos de outros carnavais como a poeta Márcia Maia, Fernando Monteiro, Ronaldo Correia de Brito e Homero Fonseca, conheci os escritores Rinaldo de Fernandes, Marcelino Freire, Altair Martins e Antônio Carlos Viana, de Sergipe, que dividiu a mesa comigo, e um dos editores da EITA, Christiano Aguiar. E ainda o artista plástico, escritor, blogueiro, fotógrafo e agitador cultural, Pedro Rodrigues, do blog Vetor Cultural – http://www.vetorcultural.com/index.html – uma grande figura humana na paisagem recifense.

Antes e depois da minha mesa, tive conversas aprumadas e longas com Fernando Monteiro, que me deu uma grande notícia, está de volta à direção cinematográfica. Vai dirigir um longa-metragem sobre a França Antártica (fundada pelos franceses em 1555 no Rio de Janeiro). O roteiro já está pronto e o contrato fechado. Foi entregue aos produtores e será publicado ainda este ano no livro “Sete contos do paraíso e um roteiro”. Os contos se passam no período em que se deu a invasão francesa e culmina com o roteiro.

Só lamentei a pressa da viagem. Como tinha de estar aqui hoje não pude aproveitar mais a efervescência cultural do Recife, que ao contrário de Natal, vive um bom momento nessa área.

E por último, voltei meio desalentado porque não há como não comparar o que está acontecendo lá e aqui.

Abaixo, os contatos da revista Eita:

Revista Eita! 4

R$10

Onde encontrar: Livraria Cultura (R. Madre de Deus, s/n

Recife – PE, 50030-110) e na Gerência de Literatura e Editoração – Gole (Av. Rio Branco, 76 A, Bairro do Recife, CEP 50030-310, Recife, PE)

Mais informações: 3355-3144 3232-2937

Comentários

Há 6 comentários para esta postagem
  1. Pedro Rodrigues 31 de agosto de 2010 3:12

    Caro Tácito Costa, bom ter você entre nós, aqui em Recife, durante A Letra e a Voz. Excelente mesa, bom papo junto com o amigo Fernando Monteiro e a esperança que ventos novos virão, trazendo mudanças e renovando o nosso amor pela Literatura. Parabéns pelo blog e estarei sempre ao seu dispor no sentido de divulgar ainda mais a Cultura e a Arte em nosso País. Parabéns pelo artigo no SubstantivoPlural e obrigado pela citação.
    Um Grande Abraço,

    Pedro Rodrigues – vetorcultural.com / Recife – PE

  2. Heleno Pereira de Melo 30 de agosto de 2010 23:46

    Quero aproveitar esta oportunidade para parabenizar Heloísa e Christiano e demais componentes da GOLE pela excelente performance do 8º FESTIVAL DE LITERATURA A LETRA E A VOZ. Já acompanho esse festival há, pelo menos três anos, e, cada ano tem mais novidades. Parabenizo, também, a capacidade criadora do grupo que inventa uma revista como a EITA! fora de qualquer padrão normal para essa forma de comunicação. Não só inventa como reinventa todo mês. Haja fôlego!
    Abraços
    Heleno Melo
    Participante da Oficina de Criação Literária de Carrero

  3. Tácito Costa 29 de agosto de 2010 16:35

    Márcia, você é uma poeta de valor e gente muito boa. O SP está à sua disposição. Indo novamente a Recife te aviso pra gente bater um papo. abs.

  4. Márcia Maia 29 de agosto de 2010 14:21

    Pena foi a pressa. Queria ter podido sentar e conversar com calma.
    Mas valeu o reencontro.
    Um beijo daqui.

  5. françois silvestre 29 de agosto de 2010 9:59

    Palmas para Afogados de Ingazeiras. Aqui em Martins falta água há dezessete dias. E o Governador tá subindo a serra prometendo adutora. Não tem água nem dos canos finos da Caern. Onde não tem água ninguém pensa em cultura.

  6. Charles M. Phelan 28 de agosto de 2010 18:10

    Parabéns. Feliz de vê-ló cruzando fronteiras em nome da literatura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo