in-digesto

in
digesto
trago
a
vida
nu
gerúndio
poe
mando
ma
mando
a
teta
de
mamãe,
.
..

Comentários

Há 2 comentários para esta postagem
  1. Oreny Junior 12 de março de 2012 17:51

    Obg, nina
    sou ave de arribação, migrando em ninhos,
    abração

  2. Nina Rizzi 12 de março de 2012 12:03

    Gosto de tudo que me fica entalado na garganta. O engasgo absoluto, inexistir em absoluto. Maravilha, Oreny.

    P.s.: falei com um amigo ainda esses dias sobre seu desaparecimento. Ainda bem que voltou. Toda antipoesia agradece.

    Um beijo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo