Instintos de vida

Por Francisco Daudt
O GLOBO

‘Eros’ ficou como símbolo de construção porque o sexo é nosso motor para construir e para destruir

FREUD FALOU que todos nós carregamos instintos opostos: um de vida (que ele chamou de Eros) e um de morte (que ele nunca chamou de Tanatos). Este último é dos mais mal compreendidos em psicanálise, geralmente ligado a um monstro que aqui e ali surgiria no ser humano fazendo ele se tornar genocida, causador de guerras, assassino serial, político predador e coisas do gênero.

Enquanto o instinto de vida é bem acolhido como parte da nossa “boa natureza estragada pela cultura” (vide o bom selvagem de Rousseau), o de morte é olhado como um inimigo oculto dentro de nós, esperando sua oportunidade para cravar suas garras.

Deste mal-entendido vêm crendices como a de que pessoas são capazes de “fazer” um câncer, já que são tão amargas. O que é uma crueldade adicional para os cancerosos, pois além da doença eles carregam a culpa de tê-la. Sem mencionar otimistas incuráveis que também desenvolvem câncer.

Você pode perguntar o que um conceito psicanalítico está fazendo numa coluna que cuida de natureza humana. É que o velho professor teve sacações brilhantes sobre o funcionamento universal de nossa mente, a acima descrita entre elas. Um dia desses, eu dedico uma coluna a comentar a lista de comportamentos universais da espécie (ou seja, presentes em todas as culturas do mundo, através dos tempos) que Donald E. Brown fez, e que está publicada no livro “Tabula rasa” de Steven Pinker. É fascinante. Entre eles, Brown colocou o Complexo de Édipo, outro conceito do velho. Prometo para depois.

Mas afinal, como entender o funcionamento da dupla vida/morte no nosso dia a dia? Entenda como se fosse uma conversa interminável entre a destruição e a construção. “Eros” ficou como símbolo de construção porque o sexo (a procriação) é nosso principal motor para construir e para destruir. Explico: tive uma linda filha e criei-a com desvelo, custo e eventuais noites insones, de tal forma que ela é hoje inteligente, um amor, hábil e autônoma. Eros operando, certo? Pois logo virá um ser monstruoso para destruir nossa bela família, casando-se com ela, levando-a daqui para construir a família deles. Eros operando novamente… Não posso me queixar: fiz o mesmo com a família da mãe dela!

Destruo a vida de uma vaca (eu não, que os bifes vêm do supermercado), corto-a em pedacinhos, queimo-a parcialmente e ainda a trituro com gosto entre os dentes. Seus tijolinhos de aminoácidos vão se juntar na construção de meus músculos. Você não imagina quantas palavras eu destruí (“deletei”, do latim “delendere”, que significa “destruir”) para escrever esta coluna. Você se encanta ao ver uma catedral em mármore. Vá dar uma olhada na pedreira de onde ela saiu. Na Austrália é necessário se matar uma série de animais que, por seu surto de “construção”, destruíram plantações e outras espécies, ameaçando a humana. Um estímulo à reflexão dos que pensam que ecologia é ter peninha de bichos e plantas.

Portanto vida e morte, construção e destruição fazem parte de nossa natureza e são necessárias à nossa existência.

Comments

There is 1 comment for this article
  1. Michel 11 de Julho de 2012 12:15

    Instinto de vida e de morte num só instinto.
    Construção a partir da destruição, seguida de destruição e perpetuando o ciclo movido por Eros.

    Muito interessante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP