Isaura Rosado comenta processo de conclusão do Teatro Lauro Monte Filho

Por Isaura Amélia Rosado
Diretora Geral da Fundação José Augusto

A conclusão do Teatro Lauro Monte Filho está prevista com recursos do RN Sustentavel, leia-se empréstimo do Banco Mundial, no valor de U$ 1.263.889. Aproximadamente 4.550.000 reais, sendo 3.360.000 reais para obras e 1.000.000 para bens.

Importante informação porque a obra sai dos recursos próprios do governo, que todos nós sabemos as dificuldades, e é abrigada no empréstimo do Banco Mundial, cuja demora e dificuldade não será a falta de recursos. Como aconteceu no governo de Wilma de Faria (quando foi interditado), no governo de Rosalba (quando a obra foi iniciada e as dificuldades do Estado impediram a conclusão) oportunidade que foi incluído no RN Sustentavel, agora reavaliado é mantido no Governo Robinson Faria.

Como a obra já havia sido iniciada temos os projetos necessários à assunção pelo RN Sustentável. A planta arquitetônica, nesta sexta feira foi assinada novamente pelo arquiteto Eduardo Falcão, em Mossoró.

A obra precisa ser novamente licitada. Para isso se faz necessário o distrato com a empresa que iniciou, processo que está sendo apreciado pela Procuradoria Geral do Estado.

Para a nova licitação houve necessidade de planilhas atualizadas, com a exclusão dos serviços já realizados. Etapa já concluída a semana passada.

Essa documentação se encontra no RN Sustentável, vencendo a burocracia de um empréstimo internacional.

Não vou falar de prazos, mas informo que acompanho todos o processo diariamente, esperando a nova licitação.

As ações do RN Sustentável ganham celeridade por determinação do Governador Robinson Faria e pelo trabalho de Ana Guedes, gestora do empréstimo.

Como vejo e aplaudo o interesse de Nonato Santos e de Felipe Caetano Oliveira, como decerto é de toda a sociedade mossoroense, que se igualha ao meu, farei informes frequente sobre os passos, largos ou curtos que vamos trilhando.

Na verdade, encontro a obra do Teatro Lauro Monte no mesmo patamar que deixei em 2014.

Comments

Be the first to comment on this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Go to TOP