Jornal sobre o Beco da Lama será lançado neste sábado com show da Banda Anos 60

E o beco mais atrevido do mundo vai ser notícia. Digo notícia com toda a pompa, daquelas manchetonas mesmo, capa de jornal. E não, nenhum grande acontecimento provocou esse destaque. Nem será mesmo um grande jornalão sobrevivente da cidade a fonte da manchete. Amigo leitor, o Beco da Lama terá seu próprio jornal, de nome O Beco, assim bem rápido e direto como Le Monde, The Sun, Times e outros tantos. Lançamento será sábado, com show da banda Anos 60.

Até chegar ao nível desses jornais do além-mar, O Beco sairá com formato de tabloide, com apenas quatro páginas, sendo capa e contracapa coloridas e editado pelo jornalista Cefas Carvalho. Tem editorial, dois colunistas fixos (Eduardo Alexandre e Franklin Nogvaes) e ainda colaborações pontuais. A tiragem é de mil exemplares, distribuídos nos comércios do Beco da Lama e instituições das adjacências, como Cosern, Sesc, Assembleia e IFRN.

A periodicidade será mensal. Claro, sempre reportagens sobre as acontecências bequianas. E nisso, material não falta. O Beco é repleto de personagens folclóricos, tradições, recantos e histórias que rendem livros. A intenção é lançar essa primeira edição para mostrar a possíveis parceiros e apoiadores e, no futuro, aumentar o número de páginas e a tiragem. Importante é começar. E na edição de setembro, este blogueiro envia seu textinho.

OUTRAS NOVIDADES
A diretoria da Sociedade dos Amigos do Beco da Lama e Adjacências (Samba) tem trabalhado também para incrementar ainda mais o calendário cultural do Beco. Afora os eventos tradicionais, como o Festival Gastronômico e o Carnabeco, já em planejamento, há ideias também de transformar a difusora, criada recentemente, em webrádio, para melhor alcance de divulgação.

Mas há outras ideias também, como a já divulgada Festa do Vinil, para setembro. Mas uma delas eu achei genial. Ora, se Santa Catarina ou a Alemanha se gabam em promover a OcktoberFest, um festival de cervejas metido a besta, porque o Beco atrevido não pode organizar o Outubro da Meladinha? Um festival com variados tipos da tradicional meladinha, tão disseminada pelo saudoso Nazi. Nada mais original!

FOTO: MAGNUS NASCIMENTO/TN

Jornalista por opção, Pai apaixonado. Adora macarrão com paçoca. Faz um molho de tomate supimpa. No boteco, na praia ou numa casinha de sapê, um Belchior, um McCartney e um reggaezin vão bem. Capricorniano com ascendência no cuscuz. Mergulha de cabeça, mas só depois de conhecer a fundura do lago. [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ao topo