Kaplan/Gerardo

O Duo Kaplan / Gerardo Parente

No início da década de 70 do século passado eu fazia o bacharelado em Física e ao mesmo tempo estudava piano na Escola de Música com sede nos fundos do Palácio dos Esportes. Na Escola de Música tinham excelentes professores e amigos. Todo ano a escola promovia uma excelente semana de música com apresentações dos professores e alunos.

Foram minhas professoras de piano as queridas amigas Magnólia, Leonor e Isméria. Belo ambiente de estudo e lazer. Nesse tempo o Madrigal ainda estava no auge. Entre os professores de canto a excelente soprano Atenilde Cunha, que se apresentou muitas vezes com o acompanhamento do grande pianista cearense Gerardo Parente. Que belos recitais quando Atenilde cantava entre outras o Azulão, Casinha Pequenina , ária da Madame Butterfly e as canções eternas da Floresta Amazônica do Villa Lobos. Como são belas as melodias de Tarde Azul e Melodia Sentimental. Gerardo com a sua simpatia e competência lia o poema da canção e dizia o enredo da melodia a ser executada.
Para mim, a Escola tinha um charme todo especial esse tempo. Depois de cinco anos parei de estudar piano. Precisei viajar para fazer pós-graduação em São Paulo. Entre os grandes músicos que lecionavam na Escola e que deram concertos memoráveis estava o judeu portenho José Alberto Kaplan.
Kaplan nascido no ano de 1935 em Rosário, província de Santa Fé, Argentina, era professor na Paraíba e também lecionava na nossa escola. Com Gerardo Parente ele formou um grande duo de Piano, o famoso Kaplan/ Gerardo. Quantas vezes ouvi esse duo maravilhoso.
Eles tocavam o Lundu, de Francisco Mignone, Brasiliana de Osvaldo Lacerda, as modinhas Azulão e Casinha Pequenina com arranjos de
Kaplan, entre outras.
Como registro desse grande Duo ficou o belo disco “ Piano a quatro Mãos, pela UFPB. Grande sucesso dessa dupla a 4 mãos foi a interpretação do Sarau de Sinhá do compositor cearense Aloysio de Alencar Pinto.
Kaplan foi o mentor do festival de Musica de Areia/ PB e compôs pela Marcus Pereira a “ Cantata para Alagamar”.
Belos músicos que o tempo não escondeu das minhas mais doces recordações das aulas de piano e dos concertos memoráveis na antiga Escola de Música.
Quanta saudade da minha amiga de solfejo. . Saudades de Caneca, Maciel. Luiza, Magnólia, Abdias (saraus na minha casa), Prentice Bulhões ( meu prof de ritmo) e tantos outros e sons que fizeram a alegria da existência de um amante da música.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =

ao topo