Kurosawa: um século de um gênio do Cinema

“A vida é tão curta, / se apaixone querida donzela, / enquanto seus lábios ainda são rubros.Viver 1952

O maior diretor de cinema japonês e um dos maiores do mundo completa 100 anos. Seus filmes fazem sonhar e são partes da antologia fílmica mundial. O mundo passou a conhecer o Japão mítico e profundo dos samurais, a partir dos filmes do Kurosawa. Dirigiu grandes obras primas como Viver, Rashmon, Ran, Dersu Uzala, Kagemusha, Trono Manchado de Sangue, Dodeskaden , Yojimbo, Os sete Samurais e Anjo Embriagado.

Foi um apaixonado pela literatura russa e fez “O idiota” baseado em Dostoiévski e Ralé em Gorki. Tinha paixão pelos livros e thriller de Geoges Simenon. Baseado no Macbeth de Shakespeare dirigiu o belíssimo “Trono Manchado de Sangue”. O mais importante não é o porquê, mas o como.

“ O modo com a coisa acontece pode não mostrar nada da coisa em si, mas mostra obrigatoriamente algo sobe as pessoas envolvidas no acontecimento e que fornece o como”

Apesar de sua grande estima por Dostoievski – “é o escritor que escreve com maior honestidade sobre a existência humana’- o Idiota, não é o seu melhor filme. Um dos seus maiores filmes é Viver e seus flash – backs. Diretor de alguns dos maiores atores do cinema Toshiro Mifune e Takashi Shimura.

Dirigiu o belo Rashomon, vencedor do Festival de Veneza de 1951, baseado em contos do grande escritor suicida Ryunosuke Akutagawa. O que o escritor quis dizer é que a verdade é relativa, com o corolário de não haver verdade alguma. E que cena magistral: A velha rouba os cabelos dos cadáveres. Ela diz que rouba apenas para sobreviver fazendo perucas dos cabelos roubados. O servo, decide transformar-se em ladrão, a derruba levando suas roupas e dizendo que a desculpa também valeria para ele.
Dono de uma pontuação e cortes magistrais do cinema em belos wipes e grandes fades elegíacos, foi um dos maiores cineastas de todos os tempos e elevou o cinema á condição de uma das mais belas artes. Arte que faz sonhar e refletir sobre o grande mistério que é VIVER.

Físico, poeta e professor [ Ver todos os artigos ]

Go to TOP